Alex Evangelista e Flávio Trevisan falam sobre preparação da equipe para o Brasileiro

quarta-feira, 03/05/2017

Gerente científico e preparador físico destacam importância longo período de treinos para a estreia no campeonato nacional

Aproveitando o tempo sem jogos para estar muito bem na estreia do Campeonato Brasileiro, dia 14 de maio, contra o Palmeiras, o Vasco teve hoje mais um dia recheado de atividades. Após o trabalho pela manhã, o gerente científico Alex Evangelista e o preparador físico Flávio Trevisan fizeram uma análise sobre esse período de preparação da equipe para o campeonato nacional. Para os profissionais, esse tempo é essencial para deixar os jogadores nas melhores condições de jogo.
– Claro que queremos sempre disputar título, mas como não foi possível, estamos aproveitando bem essas três semanas. Sentamos e discutimos o quera era necessário. O Caprres monta as estratégias e faz as partes se comunicarem. Entregamos os dados necessários para a preparação física. O treinador é fominha de informações e montou um grande cardápio de treinamentos – diz Alex Evangelista.
– No Brasil, o número de jogos é muito grande e com viagens longas. O atleta acaba jogando, recuperando e já tendo que jogar de novo. Falta o upgrade no treino. Diminuindo a carga de partidas, temos a condição de o atleta estar 100% recuperado e pronto para um novo estímulo – analisa Flávio Trevisan. 

Gerente científico Alex Evangelista em coletiva de imprensa – Foto: Paulo Fernandes/Vasco.com.br
Já treinando com bola após passar por uma cirurgia no joelho em setembro do ano passado, Marcelo Mattos vem demostrando muita disposição durante os treinamentos, fato destacado por Alex Evangelista.
– Hoje fizemos um treino de alta intensidade e fiquei muito orgulhoso. Disse isso a ele. Colocamos metas de 33km/h e o Marcelo alcançou todos os índices. Temos que esperar um pouco mais para vermos se as respostas seguem as mesmas. Hoje ainda não poderíamos colocá-lo 90 minutos – explica.
Questionado sobre a intensidade dos treinamentos, Flávio Trevisan ressalta que os trabalhos são feitos com equilibrio e individualizados para cada jogador. 
– Alguns treinos integrais acontecem nesse período em que temos condições. São totalmente equilibrados. Não vi ninguém reclamar de treinamento. Para fora pode até surgir, mas, pelo que estamos acompanhando, o que eles têm nos passado é que são treinos exigentes. Se treinar 30% e tentar jogar 100%, não vai conseguir. Não há reclamação – garante.

Preparador físico Flávio Trevisan responde perguntas dos jornalistas – Foto: Paulo Fernandes/Vasco.com.br