Alex Evangelista e Joelton Urtiga falam sobre o rendimento dos jogadores do Vasco

quinta-feira, 19/05/2016

Gerente científico e preparador físico exaltam o meio de campo cruzmaltino

Gerente científico Alex Evangelista e preparador físico Joelton Urtiga conversam antes do treinamento – Foto: Paulo Fernandes/Vasco.com.br

Com o percentual de lesões quase nulo nos últimos meses, o CAPRRES, juntamente com a comissão técnica do Vasco, segue fazendo um trabalho de prevenção e avaliação com os atletas do elenco. Atualmente, o técnico Jorginho pode contar com quase 100% do grupo, o que facilita e aumenta as suas escolhas dentro de campo e em determinados momentos de uma partida.

O gerente científico do Vasco Alex Evangelista e o preparador físico Joelton Urtiga conversaram com os jornalistas após o treinamento desta tarde, em São Januário. Um dos temas destacados na coletiva de imprensa foi o condicionamento físico e a mobilidade dos jogadores, que muitas vezes atuam em posições diferentes em prol do melhor para o time.
– O meio de campo do Vasco é bastante dedicado. O Andrezinho volta na marcação sempre, e o Jorge Henrique jogou até de zagueiro. O Marcelo Mattos se dedica ao máximo, corre para caramba. Mas Nenê e Andrezinho, pelo trabalho que fazemos com o GPS, são os que vemos que têm mais essa quilometragem, que mais se destacam – afirmou o preparador Joelton, que acrescenta: “Nenê deu um pique de 38km/h nesse último jogo, no fim”. 

Preparador físico Joelton Urtiga e gerente científico Alex Evangelista concederam entrevista coletiva – Foto: Carlos Gregório Jr/Vasco.com.br

Alex Evangelista explica o processo de avaliação de cada atleta dentro dos objetivos do CAPRRES. Para o gerente científico, é necessário ter uma integração entre todos os setores da comissão do futebol profissional.

–  Analisamos as coisas com um padrão individual, jogador por jogador. Fico no clube o dia inteiro para traçar o planejamento. É claro que nós temos prioridades. Nossas avaliações não são soberanas. Existe também a palavra do jogador. Há um consenso democrático. Se o atleta está sem dor, ele vai mais na bola, administra melhor sua força física, que é muito bem treinada pelo Joelton – analisa.
Para a partida de sábado (21/05), contra o Tupi, em São Januário, Madson é a única dúvida da equipe, pois está com uma lesão no adutor da coxa. Durante esse período antes do jogo, o lateral-direito será avaliado para saber se terá condições de atuar.

– O Madson sentiu um incômodo e fez um exame. Ele tem uma lesão no adutor da coxa. A minutagem dele é muito alta. Essa troca de ciclos é perigosa. Não dá para prever ainda para o jogo de sábado – afirma Alex.