Análise, estudo, frieza e força mental: Cadu revela preparação para as disputas por pênaltis

domingo, 16/01/2022

Por: Matheus Babo, Osasco

Costuma-se dizer que a decisão dos pênaltis é boa para o goleiro. Mas se engana quem acha que as penalidades são apenas a intuição e qualidade do camisa 1 dentro de campo. O estudo começou muito antes, fora dos gramados, quando Cadu recebeu do setor de análise de desempenho um material detalhado mostrando como cada jogador do Audax-SP costumava bater. Cadu estudou e aliou aquelas informações com a força mental para influenciar o adversário a bater daquela forma. Ele pegou duas cobranças e classificou os Meninos da Colina para às oitavas de final da Copinha.

Foto: Alexandre Neto/@foto.alexandreneto

– Esse estudo para pegar os pênaltis é muito importante. O pessoal da análise de desempenho faz muito bem. Eles me forneceram um material. O Rennato, que está aqui na viagem, o Pedro e o Kaleb, que estão no Rio, e eu fui muito feliz. Todo um trabalho mental na hora também. A gente já sabe onde o batedor costuma cobrar e a gente tem que influenciar ele na hora. Na própria cavada, eu já sabia que ele fez no último jogo e mexi com a cabeça dele para ele bater da mesma forma – conta o goleiro vascaíno, ressaltando o trabalho dos analistas Rennato Bennata, Pedro Henrique Vicente e Kaleb Lima.

Cadu tem histórico de sucesso em disputa de pênaltis na base. O goleiro ainda tinha idade de Sub-17 quando precisou substituir Fintelman, que estava lesionado, na decisão da Supercopa do Brasil em 2020, contra o Atlético-MG. Naquela ocasião, o Cruzmaltino venceu por 7 a 6 e ele defendeu a última cobrança, garantindo o título:

– É verdade. Já tive a oportunidade de participar da decisão mais recente, da Supercopa, nos pênaltis, e acho que pra não perder a concentração é transferir toda a pressão e responsabilidade pro cobrador. Tentar se manter descontraído, confiante e jogar com a pressão da torcida a meu favor. Consegui fazer isso hoje e fui muito feliz no resultado.

Foto: Alexandre Neto/@foto.alexandreneto

Vasco da Gama, o time que venceu o racismo