Após título com a seleção, Marlon Gomes revela ansiedade para jogar

quarta-feira, 15/02/2023

Por: João Pedro Isidro, CT Moacyr Barbosa

O meia Marlon Gomes passou 38 dias com a Seleção Brasileira Sub-20 para a disputa do Sul-Americano, na Colômbia, que valeu vaga na Copa do Mundo da categoria. Além da vaga conquistada, o Brasil também ficou com o título da competição. De volta ao Vasco, Marlon se reintegrou ao grupo e falou sobre a experiência vivida nesse período.

– Estou feliz pelo momento que estou vivendo. Desfrutei cada momento lá na seleção brasileira, graças a Deus conquistamos o título e agora é foco total aqui no Vasco. Todos nós lá na seleção sabíamos da importância dessa competição. Nosso primeiro objetivo era conquistar a vaga no mundial e depois que conseguimos, queríamos o título, que conseguimos de forma invicta – disse.

Marlon Gomes e o analista de desempenho Lucas Vergne (Foto: Rafael Ribeiro/CBF)

O camisa 25 vascaíno subiu para o profissional em 2022 e foi importante no acesso do clube para a Série A. Já mais maduro após sua primeira temporada como profissional, Marlon disse que o período com a seleção serviu de amadurecimento como jogador e que espera ajudar o Vasco em 2023.

– Chego mais maduro. Na minha primeira entrevista na seleção eu disse que chegava mais maduro por tudo que vivi aqui no profissional do Vasco e agora que estou de volta não é diferente. O título e a boa competição que fiz, eu chego mais maduro e vou ajudar bastante o clube neste ano – que completou falando sobre a expectativa para a temporada.

– A expectativa é a melhor possível. Comentei com alguns amigos que eu estava ansioso para voltar. Estou conhecendo os novos companheiros e estou ansioso pra voltar e sentir o calor da torcida vascaína – declarou.

Desde novembro sem vestir a camisa cruzmaltina, Marlon revelou que está ansioso para reencontrar a torcida e falou sobre os elogios do treinador Mauricio Barbieri.

– Eu sou cria da base, tenho uma identificação enorme com a torcida vascaína. Essa ansiedade é uma ansiedade boa pra ter esse reencontro e creio que será da melhor forma possível. Fico feliz, ouvi a entrevista do professor. Ele me ajudou muito antes de eu ir pra seleção. Disse pra eu ir tranquilo e voltar voando. Acho que fiz meu papel lá bem feito e creio que posso ajudar muito ele e o clube também – finalizou.

Vasco da Gama, o time que venceu o racismo