Celso Roth lamenta ineficiência ofensiva, e elogia “fantástica” torcida

domingo, 09/08/2015


Celso Roth observa investida ofensiva de Riascos- Foto: Paulo Fernandes/Vasco.com.br

A convocação surtiu efeito. Mais de 40 mil pessoas atenderam ao período do clube e vieram comemorar o “Dia dos Pais” torcendo no Maracanã. O apoio foi enorme, mas não conduziu o Vasco a sua quarta vitória no Campeonato Brasileiro. Na manhã deste domingo (09/08), no “Maior do Mundo”, o Gigante da Colina empatou sem gols com o Joinville (SC). 

Com o resultado, o clube de São Januário se manteve na 19ª colocação da competição nacional. Após o duelo contra os catarinenses, o treinador Celso Roth concedeu entrevista coletiva e lamentou o sétimo tropeço vascaíno como mandante no Brasileirão. Para o comandante, faltou eficiência para o sistema ofensivo cruzmaltino durante os noventa minutos.
– Precisávamos do resultado hoje, mas não conseguimos. Nós tivemos força ofensiva. Não lembro quantas oportunidades tivemos, mas no mínimo duas ou três muito claras. Infelizmente, não conseguimos fazer. Nós estamos trabalhando visando essa melhoria ofensiva. Fizeram bons trabalhos específicos de finalização ao longo da semana, mas não fomos felizes no jogo de hoje. Se tivéssemos sido, o resultado teria sido diferente. O Vasco teve dedicação total, mas não teve a qualidade no toque final – declarou Celso Roth.
Para diminuir a distância para os concorrentes e tentar apagar a má impressão deixada na antepenúltima rodada do turno inicial, o Vasco precisará derrotar o Santos na próxima quarta-feira (12), às 21 horas, na Vila Belmiro. O detalhe é que o Almirante ainda não venceu fora do Rio de Janeiro na atual edição do Brasileiro. O retrospecto, porém, não desanima Celso Roth, que não poupou elogios para a torcida.
– A torcida do Vasco não foi sensacional, foi maravilhosa, foi todos os adjetivos positivos que existem. Foi fantástica, mas de novo não conseguimos dar o retorno que eles esperavam. Teremos uma sequência de jogos importantes, mas esses confrontos diretos não definem nosso futuro no campeonato. O que nos deixa numa situação ruim é o fato de não vencermos as partidas. O Vasco tem condição de jogar de igual para igual com qualquer adversário no Brasileiro – afirmou o técnico vascaíno.