Novo dono da camisa 6, Edimar exalta história do Vasco e rasga elogios para Riquelme

terça-feira, 11/01/2022

Na manhã desta terça-feira (11/01), logo após o técnico Zé Ricardo comandar a segunda atividade da semana de olho nos desafios da temporada, o Vasco da Gama apresentou oficialmente o lateral-esquerdo Edimar no CT Moacyr Barbosa, na Cidade de Deus. Contratado após um período de sucesso no RB Bragantino (SP), o experiente jogador recebeu das mãos do gerente geral Carlos Brazil a lendária camisa 6 do Gigante da Colina e não escondeu a satisfação ao falar sobre a oportunidade de utilizar o mesmo número que Felipe e Mazinho.

– Quem não conhece a história do Felipe aqui no Vasco? Foi um jogador de muita importância nessa posição. É claro que depois ele virou meia esquerda, mas foi como lateral que construiu grande parte de sua história no Vasco. Não só o Felipe, como o Mazinho também. Tem o garoto Riquelme agora, que possui uma margem de crescimento bem grande. A gente sabe da responsabilidade que é vestir essa camisa 6, então espero mostrar todo meu valor, todo meu potencial, para ajudar o Vasco no que precisar. Vou honrar essa camisa – afirmou o novo reforço cruzmaltino.

Antes de acertar com o Vasco da Gama, Edimar recebeu outras propostas, inclusive de equipes que irão disputar a próxima edição da Série A do Campeonato Brasileiro. A grandeza do Gigante da Colina, porém, foi o fator que fez o novo camisa 6 optar pela transferência para São Januário. Ao comentar sobre o assunto, o lateral-esquerdo afirmou que não pensou duas vezes quando foi contactado pelo time vascaíno.

– O que pesou para jogar no Vasco foi o tamanho da camisa, da história. Fiz uma temporada muito boa pelo Bragantino, chegamos à final da Sul-Americana. Tinha propostas da Série A, mas escolhi vir para o Vasco pelo tamanho e pela camisa. Para a minha carreira vestir essa camisa é muito importante. Vamos fazer um grande ano – acrescentou Edimar.

Confira outros trechos da entrevista coletiva de Edimar:

– Características

“Hoje sou um jogador muito maduro. Sei atacar e defender. É claro que as pessoas falam sobre a minha idade, 35 anos. Mas as pessoas não sabem o quanto eu trabalho e me dedico. Foram 45 jogos na temporada passada. Vou me adaptar ao estilo do Zé. Quando tiver que passar, vou passar. E também defender. Sei fazer as duas funções. Hoje sou bastante experiente, tenho noção de como andar em campo. Não sou um jogador 80, mas também não sou 8. Consigo fazer uma temporada reta”

– Disputa com o jovem Riquelme

“Sou muito tranquilo. Vivi fora do país por oito anos e você aprende a respeitar seu companheiro de posição. O Riquelme tem um talento nato, passagem por Seleção e carinho do torcedor. Não é porque sou mais velho que eu não vou respeitá-lo. E já senti o respeito por parte dele. Vamos fazer nossa parte para ajudar o Vasco”

– Desafio e perspectiva para a temporada de 2022

“O torcedor vascaíno pode esperar uma temporada de muita garra e disposição. Todos sabem o que se passou no ano passado na Série B. Quando recebi o chamado do Vasco, não pensei nessa situação. Eu gosto de desafios. Quando estava no São Paulo, optei pelo Bragantino, mesmo sem saber como seria. Escolhi vir para o Vasco, creio que será um ano de muito sucesso. Volto a afirmar: escolhi vir, vestir essa camisa e estar aqui”

– Recepção no Vasco

“- A minha chegada foi muito tranquila. Quem estava aqui me recebeu super bem. Parece que já estava aqui há muito tempo. Estou muito à vontade. Ainda estamos nos conhecendo em campo, mas o entrosamento vai vir com o tempo. Todos querem entregar aquilo que o treinador pensa. E o entrosamento fora de campo será importante em campo.

– Mescla de experientes com jovens

“É muito cedo para falar em questão de entrosamento, mas acredito que com as contratações que estão sendo feitas vamos fazer um ano muito bom na Série B. Tem que ter jogador cascudo na Série B. E essa mescla com jogadores novos é importante. Espero ter um grande ano”

Vasco da Gama, o time que venceu o racismo