Fernando Diniz festeja vitória, elogia garotos da base e exalta torcida sergipana

segunda-feira, 04/10/2021

Com gols de Germán Cano e Ricardo Graça, o Vasco derrotou o Confiança (SE) por 2 a 1 em Aracaju, na Arena Batistão, e se aproximou ainda mais do almejado G4 do Campeonato Brasileiro. Após a partida, em entrevista coletiva, o técnico Fernando Diniz fez uma avaliação do desempenho da equipe e reconheceu que o Cruzmaltino deixou a desejar na etapa inicial. De acordo com o comandante, o Gigante da Colina só conseguiu jogar dentro da sua estratégia no segundo tempo.

– A gente não jogou bem no primeiro tempo. Tivemos a bola e não produzimos. Fomos lento. Confiança marcou bem, nos deu o maior trabalho até agora. No segundo tempo, voltamos mais agressivos. Não foi pela troca. Os jogadores foram mais agudos. Isso foi o que fez a gente ganhar o jogo. Após o 2 a 0, tivemos a chance de ampliar e não matamos. Sofremos gol de bola parada, uma jogada que mapeamos. Mas acabamos levando o gol. O time merece todos os elogios pelo segundo tempo – afirmou o comandante

Fernando Diniz orienta equipe vascaína na Arena Batistão- Foto: Rafael Ribeiro/Vasco.com.br

Desde o desembarque em solo sergipano, a torcida deu diversas provas de amor ao time vascaíno. O carinho recebido dos seguidores da cruz de malta não foi esquecido pelo técnico Fernando Diniz. O treinador cruzmaltino fez questão de parabenizar e agradecer aos torcedores, que marcaram presença em grande número na Arena Batistão.

– A torcida tem cada vez mais empurrado o nosso time. É gigante, linda. Nos sentimos em casa aqui. O Vasco é muito maior do que estar na Série B. Então, o torcedor cada vez mais acredita nisso. Ele tem sido fundamental para atingir o objetivo. O torcedor tem sido um jogador a mais no campo, então, já convoco para nos ajudar contra o Sampaio Correa. O vascaíno é um torcedor diferente. Os jogadores estão contagiados e eu também – declarou Fernando Diniz.

Confira outros trechos da entrevista coletiva de Fernando Diniz

Aproveitar jogadores do sub-20

“Mais do que assistir a um jogo, não é um jogo que define algo. Estou sempre conversando com o pessoal da base. A possibilidade sempre existe, mas o tempo é curto para adaptação. Se acharmos necessário, terá espaço aberto para acolher e desenvolver os jogadores da base no profissional”

Trabalho de motivação

“Talvez tenha sido feito de forma mais incisiva. Eu gosto muito de me aproximar dos jogadores para a gente se entregar nos treinamentos e nos jogos. Sou apaixonado pelo o que faço, a exigência é alta para representar o Vasco. A gente tem de elevar o nome do clube de uma forma rotineira. Temos de seguir sempre assim para atingirmos o sucesso”

Conversa no intervalo

“Não dá para falar o que foi falado. Mas o que mudou o estado anímico dos jogadores. A gente poderia entregar mais. A mudança geral foi essa. Todos os jogadores voltaram de maneira mais positiva e com poder de entrega maior”

Gabriel Pec e Riquelme

“Eles não ganharam pontos comigo só nessa partida. Desde que cheguei, Pec e Riquelme ganham pontos comigo. Riquelme é talentoso. Pec ficou em tratamento no tornozelo durante a semana. Estava cotado para começar o jogo”

Escalação deve ser mantida?

“É uma das possibilidades. Voltamos para o segundo tempo com outra postura. O Léo Matos fazia uma boa partida, então, não foi só pela troca que melhoramos. Desloquei o Zeca para o centro, ele estava de fato fora de posição. Ele não entrou no jogo. Mas os jogadores foram mais agressivos, Pec entrou muito bem e produzimos mais. A escalação do segundo tempo é uma possibilidade, mas temos outros formas de montar o time”

Vasco da Gama, o time que venceu o racismo