Fredy Guarin é apresentado e fala sobre escolha pelo Vasco

quinta-feira, 03/10/2019

O Vasco apresentou na manhã desta quinta-feira (3/10), o volante Fredy Guarin, em um hotel na Barra da Tijuca, zona oeste da cidade. O colombiano recebeu a camisa número 13 das mãos do Presidente Alexandre Campello e do torcedor Marcelo Veloso, que fez uma doação para a construção do CT, e concedeu sua primeira entrevista coletiva como jogador do Gigante da Colina. Além de Marcelo, os Sócios Gigante Gabriel Pereira e Fábio Filho viveram uma nova experiência. Fábio entregou o kit com carteirinha e camisa e Gabriel fez a primeira pergunta da coletiva.

Guarin vai vestir a camisa 13 do Cruzmaltino (Foto: Dikran Júnior)
– Quero agradecer ao presidente, à torcida, ao mister (Luxemburgo) por me dar essa oportunidade de jogar no Vasco. É minha primeira vez no Brasileirão, tenho muita vontade e motivação de poder ajudar a equipe a continuar com a história do Vasco – disse Guarin, antes de revelar um pouco dos bastidores da negociação:
– É engraçada a situação que vivi. Foi muito rápida a decisão. Estava em viagem com a minha família. Aristizábal me perguntou se eu queria vir jogar no Vasco, e eu falei que iria escutar. Ele disse: “O mister vai te ligar”. Falamos dez minutos, ele me convenceu. Pedi 10 minutos para conversar com a minha família. Minha mulher ouviu a conversa com o mister e disse que sim. São elas que mandam, né? (risos).

Marcelo Veloso fez uma doação para o CT que tinha como recompensa acompanhar a coletiva e entregar a camisa a Guarin (Foto: Dikran Júnior)

Questionado pelos jornalistas sobre quando poderá estrear com a camisa do Vasco, o colombiano afirmou que pretende estar 100% física e mentalmente e revelou que deve acompanhar o confronto contra o Santos, sábado (5/10), às 17h, em São Januário.

– Quero estar bem tanto fisicamente quanto mentalmente. Não quero chegar no campo e iludir a torcida. Quero fazer o necessário, obviamente o mais curto possível para competir de uma forma importante. Espero emoção, ter contato com o torcedor do Vasco. Ainda não consegui, porque estava fazendo coisas. Quero ter o feeling com a torcida – explicou o jogador, que também falou sobre o porque do número 13.
– O número 13 é o meu número da sorte. Sempre usei. Na seleção também. É o número da sorte da família.

Sócio Gigante Gabriel Pereira fez a primeira pergunta da coletiva (Foto: Dikran Júnior)

CONFIRA OUTRAS RESPOSTAS

LUXEMBURGO
O que conheço das equipes que ele comandou, são equipes boas, que jogam um bom futebol. O que falei com ele foi de ajudar no projeto. Espero poder ajudar o máximo possível, tanto dentro quanto fora de campo.
ESTREIA
Por mim, eu já estava no campo. Quero estar bem para fazer as coisas bem. Quero me preparar o mais rápido possível para poder chegar a um bom nível.
ESCOLHA PELO VASCO
Eu tinha proposta de jogar nos EUA.Foi uma decisão de família, há um tempo que estava pensando em viver nos EUA.Meu filho menor é americano. É um projeto de vida. Queria ficar para o início de 2020 e jogar lá. Mas no momento em que o Luxemburgo ligou, me convenceu.
RIO DE JANEIRO
Influenciou muito. Porque o Rio de Janeiro é uma cidade espetacular, muito bonita. Já vi muitos filmes aqui no Rio, tem uma história bonita, de poder avançar na vida. Tenho muitos amigos do futebol que nasceram aqui.

Guarin com a esposa Sara Uribe, o filho Jacobo e o Presidente Alexandre Campello (Foto: Dikran Júnior)