Isaque exalta camisa do Vasco e se apresenta ao torcedor cruzmaltino

quinta-feira, 13/01/2022

O Vasco da Gama segue apresentando seus reforços para a temporada. Na manhã desta quinta-feira (13/01), logo após o treinador Zé Ricardo comandar um trabalho tático, o meio-campo Isaque vestiu pela primeira vez a camisa Cruzmaltina. O jogador de 24 anos utilizará a camisa 46 durante sua passagem por São Januário.

– Desde que cheguei digo que não quero ser o Isaque do Grêmio, Fortaleza ou América. Quero ser o Isaque do Vasco, na minha melhor versão. Sei o tamanho dessa camisa e quero aproveitar a oportunidade da melhor maneira possível. O número 46 é um número que eu gosto muito, foi o que eu usei na minha chegada no profissional e quero permanecer pelo resto da carreira – afirmou o jogador.

Ao ser perguntado sobre em qual posição prefere atuar, Isaque não ficou em cima de muro e disse que sempre se destacou como meio-campo, no setor de criação. O camisa 46, entretanto, se colocou à disposição do técnico Zé Ricardo para jogar onde for melhor para a equipe.

– Sou meia-atacante, gosto muito de jogar na zona central. Já joguei como falso 9, segundo volante. Faço todas as funções na frente. Quero ajudar o professor Zé Ricardo e o Vasco. Essa situação de jogar como extremo joguei pouco. Onde eu mais gosto de jogar é pelo meio, vindo de traz. Mas se precisar posso jogar por ali, a gente sabe que dentro dos jogos há várias possibilidades – acrescentou Isaque.

Confira outros trechos da entrevista coletiva de Isaque:

– Preferência por posição

“Eu prefiro a chegada de trás, como falso 9 ou de meia. Mas no decorrer do jogo, a gente sabe que o futebol é dinâmico e é necessário jogar em várias posições. Se precisar sim, posso jogar (como referência)”

– Análise da Série B

“Essa Série B é uma das mais difíceis por ter todos esses clubes. Mas em toda competição, temos que brigar pelo título. A gente está focado no objetivo e vamos buscar esse acesso”.

– Primeira semana de treinos

“Primeira semana foi de aprendizado e conhecimento. A minha preferência é pelo meio. Mas tenho essa versatilidade e estou à disposição para jogar onde o Zé Ricardo precisar”

Vasco da Gama, o time que venceu o racismo