Juninho diz que torcida o motiva a continuar jogando e lutando

quarta-feira, 25/07/2012

O Vascão venceu o clássico diante do Botafogo, nesta quarta-feira (25), no Engenhão, com um gol marcado por Alecsandro aos 41 minutos do segundo tempo.  O tento que deu a vitória e a liderança provisória do Brasileirão para o Trem Bala só foi possível graças à entrega do Reizinho da Colina no lance. O camisa 8 lutou pela bola dentro da área para depois deixar o artilheiro do campeonato na cara de Jefferson.

Ao final do jogo, Juninho Pernambucano foi ovacionado pelos seus súditos no Engenhão. O jogador retribuiu o carinho do torcedor com acenos e beijos na Cruz de Malta para depois comentar essa bela relação com a torcida vascaína, seu combustível no final da carreira.

– Não tem preço. A gente não imagina que só vai atingir isso no finalzinho da carreira. Acho que isso aí é que me motiva, lógico, para continuar jogando, continuar lutando – disse o capitão do Cruz-Maltino.

O meia afirmou ainda que a sua idade não faz tanta diferença pelo fato dele estar muito bem preparado, além de o desejo de aproveitar suas últimas partidas e ajudar o Gigante da Colina pesarem positivamente para continuar nesse ritmo forte de jogos – foram 4 consecutivos.

– Não sinto que eu tenho 37 anos. Eu tenho 37 anos de vida, mas o meu corpo é como se eu não tivesse. Eu me sinto mais novo, na verdade. Francamente, fiz o 4º jogo seguido. É lógico que tem cansaço, mas o Nilton que é 10 anos mais novo também saiu cansado. O cansaço é normal. Se tiver uma fase boa, um apoio extra, é lógico que fica mais fácil de jogar, aí vem recuperação. Eu acho que jogo após jogo, aproveitar o final de carreira. É assim que eu estou pensando e está dando certo – analisou o Reizinho para depois falar da partida.

– Acho que hoje foi um clássico muito disputado. Tanto o Botafogo quanto o Vasco poderiam ter ganho. Felizmente aproveitamos a última chance. O caminho ainda é muito longo, mas dá muito prazer em jogar ainda nesse nível e ajudar o Vasco a vencer – acredita o Reizinho que ficará de fora da próxima partida contra o Internacional neste sábado (28) por ter recebido o terceiro cartão amarelo.

Para Dedé, a espírito de união do grupo é o diferencial da equipe na competição. O zagueiro ainda acredita que o desgaste está atrapalhando o seu desempenho.

– Estava jogando sem força, sem confiança na perna esquerda, não temos tempo para treinar, há um desgaste nisso. Contudo, a nossa união está fazendo a diferença. Estamos colhendo as vitórias como fruto em nosso trabalho – finalizou o Mito da Colina.