Léo prega evolução gradual da equipe e projeta clássico

quarta-feira, 01/03/2023

Por: João Pedro Isidro, CT Moacyr Barbosa

O zagueiro Léo concedeu entrevista coletiva na tarde desta quarta-feira (01/03), no CT Moacyr Barbosa e falou sobre a sua adaptação ao clube, o início da temporada, o seu desempenho dentro de campo e sobre a evolução da equipe. O atleta também projetou a próxima partida, contra o Flamengo, no domingo, às 18h10, no Maracanã.

– No domingo tem um jogo importante para a gente. A gente sabe que um clássico é sempre muito importante para o clube. É concentração máxima desde hoje. A gente sabe que é um jogo especial, mas a gente tem que levar com seriedade, como levamos outros jogos.

Pelo Vasco, Léo possui sete jogos com cinco vitórias conquistadas. Com o bom desempenho da equipe, o zagueiro foca na evolução constante, jogo a jogo.

– Nós estamos em construção ou reconstrução, cada um entende como quiser. Temos que ser humildes, ter pé no chão, a gente está evoluindo passo a passo, jogo a jogo. Não tem que se importar muito e comparar com o nosso adversário, nosso rival. Temos que fazer nosso trabalho com humildade, concentrado em cada bola, fazer aquilo que o professor pede para a gente fazer. Não pode levar para a rivalidade e dizer um monte de coisas que não condizem com o que a gente prega no clube, que é humildade, pé no chão e saber onde quer chegar.

Um trecho do discurso de Léo para os seus companheiros foi publicado no vídeo dos bastidores da Vasco TV após a vitória diante do Boavista na última segunda-feira (27), em São Januário. O jogador foi perguntado sobre o momento e citou o técnico multicampeão de vôlei, Bernardinho.

– No vestiário, gosto de ver pessoas vencedoras com a mentalidade avançada. Eu me inspiro muito no Bernardinho, do vôlei, que tem uma das maiores mentalidades vencedoras do Brasil. Gosto de pesquisar, ver vídeos desses caras que me inspiram, e tento passar para os meus companheiros.

O camisa 3 também falou sobre o seu atual companheiro de zaga, Miranda e ressaltou a importância de todos os atletas que estão trabalhando para tornar o Vasco mais forte.

– Quando cheguei aqui, fiquei sabendo o que tinha acontecido com o Miranda. Fico muito feliz pelo momento que ele tem vivido aqui no clube. Chegou o Robson Bambu, Anderson Conceição, outros zagueiros que brigam pelo espaço, agora chegou também o Capasso. Essa decisão de jogar ou não fica com o treinador, todos estão trabalhando em busca de um Vasco diferente, um Vasco melhor na temporada, um Vasco para competir. Todos estão com a mentalidade bem fixada de fazer um Vasco melhor e mais forte.

Vasco da Gama, o time que venceu o racismo