Libertadores 25 anos: A importância do “Delegado” Lopes na conquista da América

sexta-feira, 25/08/2023

Por: Matheus Babo, São Januário

O penúltimo dia do especial de aniversário dos 25 anos da conquista da Copa Libertadores, o Site Oficial falará sobre o comandante daquela conquista: Antônio Lopes. O “Delegado” chegou ao Vasco em 1996 para sua quarta passagem como treinador e iniciou a montagem daquela que foi a equipe mais vitoriosa da história do clube.

– Aquele elenco começou a ser montado quando cheguei, no final de 96. O time da época era muito fraco. Iniciamos uma reformulação e dispensamos vários jogadores daquele grupo. Em 97, pegamos jogadores de times pequenos, como o Odvan, do Americano e o Nasa, do Madureira. Mesmo sem dinheiro, buscamos jogadores experientes que estavam em baixa nos seus clubes, como o Evair e o Mauro Galvão. Alguns nomes da base, como Felipe, Pedrinho e Maricá se destacaram e o time começou a responder bem. Em 97 ganhamos o Brasileirão e em 98 a base já estava pronta. O Edmundo foi vendido e o Evair era dono do passe, preferiu sair. Buscamos o Donizete e o Luizão e eles deram conta do recado. Inclusive, marcaram os gols decisivos nas finais, foram protagonistas. Era um timaço – explica Lopes.

A campanha não foi nada fácil. Pelo caminho, o Vasco encarou só grandes equipe. Na fase de grupos, foram Grêmio, Chivas e América (MEX). O time oscilou, mas embalou e conseguiu a classificação. Nas fases eliminatórias, vieram os três últimos campeões da competição: Cruzeiro (campeão de 97), Grêmio (campeão em 95) e River Plate (campeão em 96). Lopes ressalta que o time cresceu jogo a jogo naquela Libertadores.

– A Libertadores é um campeonato muito difícil, você só enfrenta clubes campeões. É muito complicado. Nós fomos crescendo jogo por jogo, a primeira fase foi bem dura. Perdemos os dois primeiros jogos, mas recuperamos e conseguimos passar adiante. Só veio pedreira, Cruzeiro, Grêmio, River Plate, equipes copeiras, que eram os três últimos campeões da competição e isso fortaleceu o nosso time, que fez grandes jogos e com muita seriedade, passou etapa por etapa – disse Lopes.

COBRANÇAS EM DONIZETE E LUIZÃO

Conhecido pelo estilo “disciplinador”, Lopes teve trabalho com a nova dupla de ataque vascaína. Os primeiros embates vieram logo no início da competição, principalmente porque o comandante cobrava que a marcação fosse iniciada pela dupla, que demorou a aceitar.

– Tive dificuldades com o Lopes no início. Ele me cobrava muito para voltar e marcar. Os primeiros jogos na Libertadores foram ruins. Dei uma entrevista, ele ficou chateado e decidiu que não me queria mais. O pessoal segurou. Enfrentamos o Grêmio em São Januário, fiz um dos gols, arrebentei naquele jogo e no final deu tudo certo – relembra Donizete.

Foto: Agência O Globo

Para Luizão a missão foi um pouco mais “fácil” de ser assimilada. Como na época, o cartão amarelo não suspendia, o então camisa 9 do Vasco apelava para a força mesmo:

–  Eu acho que nós fomos, assim, os primeiros atacantes a marcar a saída de bola mesmo. Fiz um pouco isso no Palmeiras com o Vanderlei, mas com o Lopes, ele era chato pra caramba. Se a gente não fizesse ele matava a gente. Na época, o cartão amarelo era 100 dólares, não contava como suspensão, eu descia a porrada mesmo.

A relação do artilheiro com o treinador não parava por aí. Luizão conta que era sincero com o treinador sobre as escapadas que dava pelas noites cariocas:

– Nunca menti para o Lopes. Nossa relação era boa. Quando eu ia pra noite, eu falava, ele ficava jogando verde para saber se eu tinha ido ou não. Sempre foi muito verdadeiro, meu amigo. Gosto muito dele.

A ETERNA CAMISA VERDE DE LINHO

Companheira de Antônio Lopes até hoje, Dona Elza, esposa do treinador, também teve papel importante naquela conquista. Figurinha carimbada no dia a dia em 98, ela reunia as esposas dos jogadores e sempre que podia, reunia os jogadores para unir ainda mais o elenco. Principalmente na reta final. Além disso, Dona Elza tinha outra função fundamental: deixar a camisa verde de linho da sorte de Lopes sempre preparada.

Foto: AntonioLopes.com.br

– Ela sempre teve um relacionamento muito bom com a família dos jogadores. Se envolvia sempre. Eu aprovava e isso dava resultado. Ela sabia de algumas coisas antes de mim e até me ajudava a resolver alguns problemas. Quanto à camisa, ela dava um carinho especial. Eu usava sempre nos jogos e ela já lavava pra eu usar de novo no próximo. Eu sempre fui muito supersticioso, então acreditava na camisa. Ela deu muita sorte para o Vasco – finaliza Lopes.

GRATIDÃO DO EX-COMANDADO

– O Lopes foi o treinador mais importante da minha carreira. Eu era um pouco irresponsável, não fora de campo, porque nunca fui um cara de sair, mas em treinar mais forte, me cuidar mais. Eu, naquela época, precisava de um cara pulso firme como era o Lopes naquela época – Felipe

Obs.: Algumas entrevistas desta matéria foram realizadas em 2018, quando a conquista completou 20 anos

Vasco da Gama, o time que venceu o racismo