Marcelo Cabo celebra triunfo diante do CRB e dedica vitória aos torcedores

sábado, 19/06/2021

Por: Breno Prata, São Januário

Jogando em São Januário, pela 5ª rodada do Campeonato Brasileiro, o Vasco da Gama venceu a equipe do CRB por 3 a 0, com gols de Germán Cano, Léo Jabá e Marquinhos Gabriel. Com esse resultado, o Gigante da Colina conquistou sua segunda vitória na competição, chegou aos 7 pontos e ocupa a 5ª posição. Logo após o duelo ocorrido, na Colina Histórica, o técnico Marcelo Cabo concedeu entrevista coletiva e dedicou a vitória a todos os torcedores vascaínos espalhados pelo mundo.

– Queria dedicar essa vitória aos torcedores. Eles estavam sedentos por essa vitória em casa. Demorou, mas veio do tamanho do Vasco da Gama. Tivemos um início com dois resultados adversos em casa, mas soubemos preparar uma equipe hoje que tivesse essa vitória elástica e consistente. Se o Vasco mantiver essa média de seis pontos a cada três jogos, vai ser bom. É a tônica da competição. Essa vitória traz confiança ao grupo. Precisamos ter tranquilidade. Quando a gente perde como quarta, não está tudo errado. Assim como não está tudo certo hoje. Recalculamos a rota. Eu como comandante preciso tomar decisões. A mudança hoje não foi só de peças, foi de atitude. Que agora a gente possa emplacar uma série de vitórias – disse Marcelo Cabo.

Marcelo Cabo observa a equipe no confronto diante do CRB (Foto: Rafael Ribeiro/Vasco)

Ao ser questionado sobre os tropeços anteriores da equipe dentro de São Januário, Cabo declarou que houve um planejamento para o duelo deste sábado. O comandante revelou ainda durante a semana houveram reuniões internas para que fosse traçado um norte e recuperar os danos sofridos.

– Após a derrota de quarta-feira, sentamos e buscamos planejar o jogo de hoje. O Vasco trabalha dentro de um planejamento, temos um diretor de futebol muito atuante, temos uma diretoria que apoia a todo o momento. Relampejamos esse momento que estávamos vivendo. Não só eu, tecnicamente, como as diretrizes do futebol do Vasco na questão técnica. Sentamos com os jogadores, fizemos as reuniões necessárias, internas, com os segmentos do clube, para que pudéssemos nortear e se recuperar.

Confira mais declarações de Marcelo Cabo

Mudança no esquema tático

A mudança de plataforma de jogo, quando estamos vivendo alguma adversidade, alguma turbulência, eu, como comandante, preciso recalcular rota. Foi isso que fiz de quarta-feira para cá. Trocamos alguns jogadores, trocamos a plataforma de jogo, fizemos uma construção de trás para frente diante do estudo que fizemos do time do CRB, que é um time que atrai muito o adversário para sair jogando com seu goleiro apoiado, que crie 40, 50m para trás. Tivemos a leitura do adversário. A entrada do MT foi justamente para bloquear a descida do lateral-direito deles que é muito forte. Estudamos bem. Ofertamos a eles o primeiro terço do jogo. Busquei uma compactação maior do time. E nem por causa disso deixamos de criar muitas oportunidades.

Parabenizar os atletas, que entenderam a mudança que fizemos de ideia de jogo. Eu, como treinador, preciso criar algumas alternativas táticas. Entendemos e criamos esse mecanismo para esse jogo e graças a Deus deu certo e saímos com uma boa vitória. Uma vitória onde o Vasco não leva gol, onde conseguimos corrigir o que detectávamos que precisava corrigir. Tivemos uma equipe mais próxima, mais coesa. E construímos uma vitória de 3 a 0 em um adversário que fez 4 a 3 em cima do Cruzeiro no Mineirão. Temos que ter os pés no chão, continuar trabalhando e entender essa vitória como uma confiança que traz para esse grupo, para que possamos prosseguir no caminho das vitórias.

Volta de Leandro Castan

Ele já tem uma história muito bonita no Vasco, de entrega, de dedicação, é o capitão, é o líder. Ele fez valer a braçadeira de capitão de quarta-feira para cá. Ele tomou a responsabilidade de capitanear os companheiros. E isso foi uma das circunstâncias que fez chegarmos a essa vitória. Ele vinha de um tempo de inatividade e vínhamos trabalhando ele. Sabíamos que o planejamento era para ele voltar hoje. Não poderíamos antecipar essa volta. Tínhamos certeza que hoje ele seria importante, dentro do campo, no vestiário, liderando. Quando o Riquelme sentiu cãibra no fim ele o pegou pelo ombro e disse: “você consegue ir mais, você vai mais” e o Riquelme quase terminou o jogo. Isso é o papel de um líder. Ele performou muito, se doou, se entregou. E tecnicamente foi muito bem e mais uma vez o Vasco sai sem tomar gol.

Achou a dupla de zaga ideal?

O treinador precisa ter convicção. Precisamos diferenciar teimosia de convicção. O treinador tem que ter esse equilíbrio. Quando contratamos o Ernando, foi com muita convicção, que trazíamos um jogador experiente, de muita qualidade, com uma bagagem muito grande, que iria agregar ao Vasco muitos valores. Claro que ele ficou um tempo em inatividade. Na volta ele sentiu um pouquinho a sequência. Por isso que o tirei do jogo de quarta. Ele vinha em uma sequência muito árdua e precisávamos dar uma recuperada para que ele voltasse hoje. Hoje a zaga Ernando e Castán é a que temos ideia para o próximo jogo, mas o futebol é muito dinâmico. Então precisamos entender a sequência. Foi uma dupla que deu encaixe, que deu liga hoje, terminamos o jogo sem tomar gol. Tivemos um sistema defensivo muito consistente. Não foi só a dupla de zaga, mas fico feliz pela entrega desses jogadores. Ernando sentiu cãibra no fim, mas disse que dava para ir até o fim e conseguimos terminar sem tomar gol. Esse é o espírito do Vasco.

MT