Morato exalta história do Vasco em sua apresentação oficial

segunda-feira, 29/03/2021

Anunciado como o o quinto reforço vascaíno no último domingo (28/03), o atacante Morato foi oficialmente apresentado na manhã desta segunda-feira (29), em São Januário. O jogador assinou um contrato de empréstimo até o final da temporada e recebeu das mãos do Diretor Executivo de Futebol, Alexandre Pássaro, a camisa 10 do Cruzmaltino.

– Primeiramente é um prazer estar vestindo essa camisa. Gostaria de agradecer o Alexandre Pássaro pela forma como conduziu a minha vinda para o Vasco. A verdade é que o detalhe era a necessidade de terminar de fazer o tratamento lá em São Paulo e chegar aqui no Vasco nas minhas melhores condições. Não tem lógica eu vir para cá com um problema e ficar encostado no Departamento Médico, logo na minha apresentação. Estou aqui agora, preciso de alguns dias para treinar, até mesmo para conhecer o elenco mais a fundo e quem sabe poder estrear o mais rápido possível – declarou Morato.

Morato recebe camisa 10 das mãos de Alexandre Pássaro- Foto: Rafael Ribeiro/Vasco.com.br

Questionado sobre sua decisão de vir para o Vasco, Morato não escondeu o desejo de poder jogar por um clube gigante como o Cruzmaltino. O novo camisa 10 revelou estar muito feliz com a oportunidade e se mostrou  muito otimista com o projeto do Gigante da Colina para a temporada de 2021.

– Não é uma decisão difícil de ser tomada. Vejo no mural que temos na sala de imprensa a quantidade de títulos e jogadores importantes que já passaram por aqui. Nesses momentos eu volto lá no início da minha carreira. Primeiro que jogamos bola por amor, e escolher o Vasco, quem não quer jogar numa equipe gigantesca? Independente da situação que o clube se encontra hoje, para mim é um prazer enorme fazer parte desse processo que o Vasco se encontra. Estou muito feliz, muito otimista com o projeto que me apresentaram e para mim é um orgulho imenso estar aqui – afirmou o atacante.

Morato sorri após vestir a camisa do Vasco pela primeira vez- Foto: Rafael Ribeiro/Vasco.com.br

Confira outros trechos da coletiva de apresentação: 

Estilo de jogo

“Jogo por qualquer lado do setor ofensivo do campo e tenho características de também trabalhar mais por dentro. Então, independente de onde o professor Marcelo Cabo precisar, estarei a disposição. O importante é ter um bom desempenho e conseguir as vitórias com o Vasco, para alcançarmos nossos objetivos ao final da temporada”

Processo de reestruturação

“Em relação a equipe, é um momento de reconstrução. Então temos que ter um pouquinho de paciência, tem que dar moral para os atletas e precisa principalmente de tempo para que o grupo comece a desempenhar um bom futebol. O momento não é tão bom, mas isso faz parte do processo e acredito que o torcedor leva em consideração esse período de reconstrução, de adaptações, de nova gestão e novos jogadores. Enfim, temos tudo para fazer as coisas acontecerem e cumprir com nossos objetivos ao final da temporada”

Competitividade no ataque

“Todo clube é um novo desafio, cada um tem as suas peculiaridades. Para mim é um prazer enorme estar aqui, vestindo essa camisa, defendendo a Cruz de Malta e doido para ajudar o Vasco a cumprir seus objetivos. Em relação aos meus companheiros de ataque, o mínimo que eu espero é que o nível de competitividade aumente nesse elenco que temos hoje. Então, se todos querem jogar, vai ter que suar muito a camisa para conquistar a vaga. Isso é muito bom, pois eleva o nível de exigência do grupo e só quem tem a ganhar é o Vasco”

Morato posa para foto no gramado de São Januário- Foto: Rafael Ribeiro/Vasco.com.br

Camisa 10

“Para mim é um enorme prazer, poder vestir a camisa que Roberto Dinamite, Edmundo e tantos outros fizeram história. Então, eu espero no mínimo poder representar aos pés essa camisa tão pesada, quem sabe eu não consiga ser mais um camisa 10 a fazer história pelo Vasco. Tudo com muita calma, tenho certeza que a história deles não foi construída do dia para noite, então agora é preciso paciência e cumprir com meus objetivos. Com relação ao meu posicionamento, sou canhoto e gosto sim de jogar pelo lado direto, trago as jogadas para dentro, mas também jogo por fora. Particularmente, é uma posição que gosto, mas me adaptei a jogar mais centralizado e pelo o outro lado também. Estou a disposição do professor Marcelo, onde ele achar que me encaixo no time, estarei a disposição”

Histórias de luta e superação

“Não posso fazer muitas comparações, até porque a história do Vasco é única e irreparável. Mas seguindo essa linha de raciocínio, foi o clube pioneiro na luta contra o racismo, tem uma história bacana, repleto de grandes ídolos, teve seu estádio construído por sua torcida. Então, estou chegando agora mas é muito bonito ver que o torcedor se faz muito presente desde o início da história do Vasco. Em relação a minha história, tive uma vida com muita dificuldade, a gente sabe como é a vida de um jogador que veio de periferia e que luta diariamente contra situações que encontramos no meio do caminho. Então se for para fazer um parâmetro entre a minha história até aqui e a rica história do Vasco, podemos ressaltar a luta para chegar aonde chegou”