Nesta segunda (11), o ex-atacante Pinga completaria 89 anos

segunda-feira, 11/02/2013

José Lázaro Robles nasceu no bairro da Mooca, em São Paulo, no dia 11 de fevereiro de 1924. Pinga, como era conhecido, marcou época no Vasco entre 1953 e 1962, tornando-se um dos maiores artilheiros da história do Gigante da Colina, ficando atrás apenas de Roberto Dinamite, Romário e Almir.

Sua carreira começou nos início dos anos 40, na equipe do Juventus, de onde se transferiu para a Portuguesa de Desportos, atuando junto com seu irmão mais velho, Arnaldo. Em 1949, foi convocado pela primeira vez para a Seleção Brasileira, mas acabou não sendo convocado para a Copa do Mundo do ano seguinte, no Brasil. Porém dois anos depois, de volta à amarelinha, conquistou seu primeiro título no exterior, o Pan-americano do Chile, marcando um dos gols na vitória por 3 a 0 sobre os donos da casa, na final.

Após ter seu passe valorizado, em virtude de ótimas atuações na Seleção, em que marcou 10 gols em 19 partidas, e na Portuguesa, o canhoto veio para São Januário no ano de 1953. Logo no início de sua trajetória cruzmaltina, conquistou o Torneio Octagonal Rivadávia Correia Meyer, marcando os dois gols que deram o título ao Vasco, na vitória de 2 a 1 sobre o São Paulo. No ano seguinte, Pinga foi à Copa do Mundo da Suíça e marcou dois gols.

Entre 1956 e 1957, Pinga faturou mais três títulos com a camisa do Vasco: o Campeonato Carioca, a Taça Tereza Herrera e o Torneio de Paris. Os dois últimos foram conquistados após uma bem-sucedida excursão à Europa. Em 1958, além de conquistar pela primeira vez o Torneio Rio-São Paulo, o Gigante venceu de forma emocionante o Campeonato Carioca.

Naquele ano, Vasco, Flamengo e Botafogo terminaram o campeonato empatados em pontos. Com isso, houve a necessidade de se criar dois triangulares finais para decidir o campeão, já que, no primeiro, houve um novo empate. No segundo e decisivo triangular, realizado já em janeiro de 1959, chamado de "super-supercampeonato", o Vasco sagrou-se campeão.

Em 1962, Pinga se despediu do Vasco com 250 gols e três títulos. Dois anos depois, no retorno às origens, encerrou a carreira no Clube Atlético Juventus, que o revelou para o futebol. Pinga faleceu no dia 8 de maio de 1996 em Campinas.

"Meu forte era a velocidade. Naquele tempo, o futebol era mais técnico que o de hoje, mais lento. Eu me destacava justamente por correr muito." (Pinga em entrevista a Manchete Esportiva – abril/1978).


Foto: Divulgação