Paulo Victor cumpre meta de jogar no Vasco e realiza sonho de toda a família

quarta-feira, 03/08/2022

Novo camisa 66 cruzmaltino foi apresentado na tarde desta quarta-feira no CT Moacyr Barbosa

Anunciado como reforço do Vasco da Gama na semana passada, o lateral-esquerdo Paulo Victor foi apresentado oficialmente na tarde desta quarta-feira (03/08) no CT Moacyr Barbosa, na Cidade de Deus.

Das mãos do gerente de futebol Carlos Brazil, o jovem de 21 anos recebeu a camisa 66, que utilizará pelo menos até 31 de julho de 2023, quando encerra seu contrato de empréstimo ao Gigante da Colina, que possui opção de compra.

– Não é apenas o meu sonho, mas o sonho de toda a minha família. Desde pequeno meu pai e minha mãe sempre falaram do Vasco em casa, então isso acabou me influenciando a virar vascaíno. Eu tinha a meta de jogar no Vasco, só não esperava que fosse ser tão cedo. Toda minha família está feliz por eu estar aqui – afirmou o lateral.

Foto: Daniel Ramalho/Vasco.com.br

Quando cita a paixão de sua família pelo Vasco, Paulo Victor não está falando da boca para fora. Nas redes sociais da equipe cruzmaltina, após o anúncio, circularam fotos do novo reforço ao lado do pai Carlos Alberto, da mãe Deisimar e do irmão Pedro Henrique torcendo em São Januário.

– Eu estava dormindo lá em Porto Alegre quando meu pai chegou no quarto, me acordou e falou sobre o interesse do Vasco. Na hora, eu não acreditei, cheguei até a perguntar se ele estava falando sério. Ele disse que era verdade e eu fiquei sem reação. A ficha demorou a cair, mas não pensei duas vezes. Meu irmão chorou muito quando meu pai contou, foi emoção na família toda – contou Paulo Victor.

Revelado pelo Nova Iguaçu e com passagens por Botafogo e Internacional, Paulo Victor tem como grande referência na posição o ídolo vascaíno Felipe Maestro. Era um jogador do atual elenco, porém, que o lateral-esquerdo se inspirava quando era criança: Alex Teixeira.

– Ele era minha inspiração. Sempre que brincava na rua de futebol com meus amigos, cada um escolhia um jogador. Como sou vascaíno, eu dizia que era o Alex Teixeira, então tê-lo como companheiro de equipe é um sonho. Lembro que em 2009, quando ainda era garoto, eu fui muitas vezes assistir ele jogando. Estava no Maracanã quando ele fez o gol do título da Série B – disse o camisa 66.

Vasco da Gama, o time que venceu o racismo