#QueHonraSer: Torcedores de Manaus participam de ensaio da nova camisa do Vasco

quarta-feira, 19/07/2023

O Vasco lançou oficialmente nesta quarta-feira (19) sua tradicional camisa preta para a temporada 2023. A campanha de divulgação da peça tem como objetivo ultrapassar as fronteiras do Rio de Janeiro e demonstrar a presença do Clube de Norte a Sul do Brasil. Para isso, a cidade escolhida como representante foi Manaus, no Amazonas, de onde são os sócios mais antigos do quadro fora do estado. Alguns torcedores tiveram um dia de modelo para estrelar a campanha.

Conheça a seguir os personagens:

 

Gabriel Gonçalves tem 24 anos e disse ter realizado um sonho na oportunidade de vestir a nova camisa para as fotos. Em 2022, ele foi com o pai assistir a um jogo do Vasco na Arena da Amazônia e sua postagem contando da experiência viralizou nas redes sociais.

– Eu tenho certeza de que esse momento ficou marcado na minha vida e será transmitido aos meus filhos, meus netos e toda a minha geração, pois serão todos vascaíno. Meu amor pelo Vasco surgiu através da minha família, pelo meu pai que é vascaíno de coração, de alma. Esse amor que ele tem foi transmitido para mim e será transmitido para as minhas próximas gerações – disse ao descrever com o Gigante da Colina surgiu em sua história e virou essa paixão.

Gabriel levou o pai para ver o Vasco em 2022. Foto: Hudson Barros

Júlia Melo tem 27 anos e participou do ensaio com sua filha, Maria Valentina, de um ano e oito meses. Juntas, elas vivem a paixão pelo Vasco e sentem orgulho de carregar a Cruz de Malta e sua representatividade no peito.

– O Vasco representa força e luta, porque é um time que já lutou para quebrar vários paradigmas, preconceitos e é uma das coisas que fez eu me apaixonar pelo Clube. É isso o que ele representa para mim. Um clube de amor, principalmente de luta e de muita força – disse a mamãe vascaína.

Júlia tem o Vasco presente ainda de uma outra forma, na luta por igualdade, inclusão e respeito. Ela é portadora de Distrofia Muscular do Tipo Cinturas (DMC), uma doença rara que causa a degeneração muscular, provocando fraqueza devido às mutações gênicas específicas. Depois de cirurgias, tratamentos e até mesmo depressão por não entender o que estava passando, foi no Vasco que a torcedora encontrou forças e motivo para seguir.

– Nesse período mais difícil da minha vida a única coisa que eu não deixei de fazer foi acompanhar o Vasco, pois foi através dele que também conheci pessoas incríveis, pessoas essas que me incentivaram muito a olhar as coisas com uma perspectiva diferente quando eu estava no meu pior momento – contou Júlia relembrando de como o time sempre esteve presente em sua vida.

Júlia com a pequena Maria Valentina. Foto: Hudson Barros

Natália Barbosa Sousa, de 26 anos, é mãe de Anthony Marcos, de sete anos. Eles também participaram juntos do ensaio.

– É uma honra enorme fazer parte disso porque vamos estar marcados ali nessa parte da história do Vasco com um uniforme que será lançado. E mostrar nossas belezas amazônicas, que é o que mais temos aqui, nossas florestas, nossos costumes, é bom que as pessoas irão se interessar um pouco mais.

Anthony tinha quatro meses de vida quando o Vasco foi jogar em Manaus no ano de 2016, ele apareceu em uma foto no colo de Nenê, e o momento viralizou.

– Toda vez que o Vasco vem jogar em Manaus a gente não perde nenhum momento. Na ocasião, ele estava com quatro meses e fomos para o aeroporto. Quando o elenco desembarcou, eu estava na grade com ele no colo e o Nenê o pegou para tirarem uma foto e até hoje essa foto ficou eternizada – relembrou a mãe do garoto.

Nathalia e o filho Anthony. Foto: Hudson Barros

Seu Francisco Marques de Oliveira Neto tem 77 anos e carrega o amor vascaíno desde 1945. A paixão é tanta que até um de seus netos leva o nome do jogador Bismarck, que atuou com a camisa alvinegra entre 1987 e 1993.

– Em 1945, meu pai estava vestido com uma camisa do Vasco e eu não sabia quem. Então disse “meu pai, eu posso ser do seu time? Que time é esse?” aí ele me disse esse daqui é o Vasco da Gama. E desde então a paixão passa de geração em geração – contou sobre como tudo começou.

Seu Francisco leva a paixão pelo Vasco desde 1945. Foto: Hudson Barros

Júlio Fernandes, 24 anos, é barqueiro que mora na Comunidade do Ariaú, localizada às margens do Paraná Ariaú, um canal natural entre os dois rios que formam o rio Amazonas (à direita Rio Negro, à esquerda Rio Solimões) em uma região privilegiada rica em fauna e flora.

O sócio torcedor Leonardo Said de Vasconcelos, 29 anos, também participou do ensaio e ganhou uma camisa autografada pelos jogadores. O material desenvolvido com ele poderá ser visto em breve nas redes sociais do @sociogigante.

Os torcedores representam o Vasco pelo Brasil a fora, demonstrando a forte presença vascaína nos quatro cantos do país. Já a camisa estará à venda nas lojas Gigante da Colina a partir de 20/07.

Amazônia Jungle Hotel

O Amazônia Jungle Hotel foi fundado em 1997. É um hotel de selva que está localizado às margens do Paraná Ariaú, um canal natural entre os dois rios que formam o rio Amazonas (à direita Rio Negro, à esquerda Rio Solimões) em uma região privilegiada rica em fauna e flora. São mais de 10 diferentes tipos de passeios, para você conhecer a biodiversidade da maior floresta do mundo e levar para casa lembranças e experiências inesquecíveis na Floresta Amazônica.

Endereço: Estrada Manoel Urbano, KM 35 AM 070, Iranduba (AM)

Contato: 92 98442 7696

Instagram: @amazoniajunglehotel

Atelier Cláudio Andrade

O Espaço Atelier Cláudio Andrade é repleto de arte e natureza onde vive o artista plástico Cláudio Andrade, em Manaus (AM) .No local o turista poderá conhecer a Amazônia, a floresta, lagos e lendas amazônicas através de seus trabalhos artísticos,esculturas e pinturas. O artista vive num ambiente ecológico,criado por ele mesmo e abre as portas do local para quem quiser visitá-lo.

Endereço: Conjunto Acariquara. Avenida Adolfo Duck,165 – em frente ao Shopping São José, Manaus (AM)

Contato: 92 98423 8430

Instagram: @atelierclaudioandrade

Vasco da Gama, o time que venceu o racismo