Queixada completaria 90 anos hoje (08/11)

quinta-feira, 08/11/2012

Ademir Marques de Menezes nasceu no Recife há exatos 90 anos, no dia 8 de novembro de 1922. “Queixada”, como ficou popularmente conhecido, devido ao queixo proeminente, foi o primeiro ponta-de-lança do nosso futebol.

Revelado pelo Sport Club do Recife no final da década de 1930, chegou ao Vasco no ano de 1942. Sua estreia pelo cruzmaltino aconteceu em março, contra o América-RJ, válido pelo Troféu da Paz. Desde então os confrontos envolvendo Vasco e América são conhecidos como Clássico da Paz.

Foram 11 anos no Gigante. Com 301 gols em 429 partidas, Ademir tornou-se o maior ídolo e artilheiro da história do Vasco da Gama, chegando a ser eleito o melhor jogador do Vasco nas temporadas 1949, 1950, 1951 e 1952, até ser ultrapassado em números de gols por Roberto Dinamite. Na época, foi, para muitos, o maior jogador a ostentar no peito a Cruz de Malta.

Títulos conquistados no Vasco:

1945 – Campeão carioca invicto;
1948 – Campeão Sul-Americano;
1949 – Campeão carioca invicto (artilheiro do campeonato);
1950 – Bicampeão carioca (artilheiro do campeonato);
1952 – Campeão carioca.

*Expresso da vitória – Sul-americano de 1948: A competição, disputada no Chile, foi a primeira conquista pelo futebol brasileiro no exterior. Incluindo a seleção brasileira. O Vasco foi campeão invicto com quatro vitórias e dois empates e superou um dos principais clubes da época: o River Plate, da Argentina, que era chamado de "La Maquina" e tinha o craque Di Stéfano. O Sul-Americano de Clubes Campeões foi o título mais importante do Vasco até a conquista da Taça Libertadores em 98.

Pela Seleção brasileira Ademir foi histórico ao ser o primeiro jogador a marcar um gol no estádio do Maracanã vestindo a camisa amarelinha. Queixada estreou no dia 21 de janeiro de 1945, em jogo válido pela Copa América, contra a Colômbia, na qual o Brasil venceu por 3 a 0. Em 1949, conquistou o sul-americano e, no ano seguinte, foi o artilheiro da Copa do Mundo, com nove gols. Além de ser o terceiro maior artilheiro da Copa América, com treze gols. Ao todo, pela seleção canarinho, Queixada teve um aproveitamento de 77,20%. Em 41 partidas, foram 30 vitórias, cinco empates e seis derrotas, com 35 marcados (dados retirados do livro "Seleção Brasileira – 90 anos", de Roberto Assaf e Antonio Napoleão).

Abandonei o futebol antes que ele me abandonasse”

Queixada deixou o Vasco em 1956 e, no ano seguinte tomou a difícil decisão de encerrar a carreira de jogador. Sem abandonar o futebol, em 1967, Ademir decidiu se tornar técnico do clube em que mais havia dado alegrias durante sua carreira, estreitando ainda mais seus laços com o Clube da Colina. Sua experiência como técnico durou menos de um ano. Após isso, acabou se tornando comentarista. Ademir faleceu no dia 11 de maio de 1996, no Rio de Janeiro.

Foto: Divulgação