Quintero mira vitória em São Januário para alcançar primeiras colocações

quinta-feira, 05/05/2022

Mais uma etapa da preparação vascaína para o duelo contra o CSA (AL) foi finalizada na tarde desta quinta-feira (05/05) no CT Moacyr Barbosa, na Cidade de Deus. O técnico Zé Ricardo aproveitou a oportunidade para aprimorar a parte tática da equipe cruzmaltina, que vai em busca da segunda vitória no Campeonato Brasileiro no próximo sábado (07), às 19 horas, no Estádio de São Januário. Um triunfo por colocar o Gigante da Colina no G4.

– Jogar em casa pode ser estratégico para retomarmos a confiança que precisamos. Falo de todos, jogadores, funcionários, direção e torcedores. Atuar em São Januário é fundamental, com a nossa torcida, nosso campo, e temos que sair com os três pontos. Falta ajustar detalhes, o futebol é detalhe. Temos tido oportunidades de gols, mas não temos sido eficientes. No último jogo falhamos lá trás, e são coisas que podem mudar a partida – afirmou o zagueiro Quintero, em entrevista coletiva.

Foto: Daniel Ramalho/Vasco.com.br

Ao ser perguntado sobre a pressão externa que existe pela conquista de resultados positivos, Quintero foi de encontro ao que disse o camisa 10 Nenê na entrevista coletiva da última quarta-feira (04), afirmando que o grupo precisa se manter concentrado em todos os momentos da partida e não se deixar levar pelo desejo de querer dar uma resposta ao torcedor de forma imediata. O zagueiro também enalteceu o trabalho que vem sendo realizado pelo técnico Zé Ricardo.

– Eu penso como o Nenê. São 11 jogadores que entram em campo. Claro que tem estratégias, mas nós que tomamos decisões. A pressão é grande, é um clube gigante, mas eu acho que no dia a dia estamos bem, com o grupo, com o treinador, com os funcionários. Nos treinos nos dedicamos 200%, nos cobramos, eu me cobro muito. Não gosto de perder e tentamos o máximo possível chegar na vitória. Ainda sobre a pressão, temos que lidar com isso, saber da grandeza do clube que estamos. É um clube gigante e temos que saber lidar com isso – disse o camisa 2.

Vasco da Gama, o time que venceu o racismo