Em 14/08/2014 às 15h44


Vasco luta, mas é surpreendido na estreia da Libertadores

Por: Vasco.com.br

O Vascão lutou, a torcida apoiou, mas a estreia não foi como a esperada e o time de São Januário foi surpreendido pelo Nacional, do Uruguai, em casa, nesta quarta-feira (08), ao perder por 2 a 1. O gol vascaíno foi marcado por Alecsandro, que já marcou quatro gols na temporada.

O Gigante da Colina apenas jogará em uma partida pela Copa Libertadores no dia seis de março diante do Alianza Lima (PER), em São Januário.


O jogo

Nacional surpreende


Cristóvão Borges não pode contar com Fagner, que vem se destacando no ano de 2012, devido a uma suspensão na Copa Sul-Americana do ano passado. Allan, machucado, foi outra ausência para o jogo. Com isso, Max atuou pela lateral direita e os ídolos Juninho e Felipe atuaram pela primeira vez na temporada juntos como titulares. O zagueiro Dedé era dúvida para a partida, mas foi para campo.

Os jogadores do Vasco entraram em campo segurando uma faixa com os dizeres "Força Chico Anysio", em homenagem ao humorista vascaíno que encontra-se hospitalizado, enquanto o Caldeirão fervia de emoção pela volta do time à Libertadores após 11 anos com uma celebre festa.

Após um começo de jogo muito tenso com as duas equipes alternando a posse de bola, o Gigante da Colina passou a controlar o ritmo da partida e a pressionar a saída do Nacional, que se fechava na defesa para surpreender em um contra-ataque. Max foi o primeiro a fazer uma boa jogada. O jovem lateral driblou o seu marcador e cruzou muito bem para dentro da área e Burián saiu bem para afastar o perigo.

Aos 15 minutos, Felipe fez ótima jogada pela esquerda ao dar o seu drible característico deixando o seu marcador sem rumo e cruzou, porém a zaga cortou em cima da hora e mandou a bola pela linha de fundo. Com uma boa troca de passes no campo ofensivo, não demorou para o Trem Bala voltar a assustar o adversário.

Juninho tocou para Felipe, que passou para Alecsandro. O atacante ajeitou para Diego Souza dar um drible espetacular no marcador e chutar forte para fora. Bastou esse lance para a torcida cruzmaltina, que não parava de cantar um segundo, incendiar, fazendo o Caldeirão ferver. Percebendo que o Vascão estava crescendo, os uruguaios passaram a cometer muitas faltas.

O Nacional, em um contra-ataque muito rápido, surpreendeu o Vasco. Placente cruzou na linha de fundo pela esquerda para Cabrera, livre, dominar e chutar por cima do travessão de Prass. Poucos minutos depois, o Nacional abriu o placar com Scotti em um escanteio. A torcida vascaína, que fazia um show a parte, logo começou a cantar cantar em São Januário: “o Vasco é o time da virada, o Vasco é o time do amor”.

O jogadores, sentindo o apoio vindo das arquibancadas, o Cruz-Maltino seguiu com a posse de bola, criando boas oportunidades. Rodolfo driblou o marcador e tocou para Alecsandro chutar em cima da marcação. O Trem Bala, contudo, esbarrava na marcação uruguaia, que quase ampliou o placar com Sanchez, mas a sua finalização parou na Muralha Fernando Prass.

No final da etapa inicial, Diego Souza arranca do meio de campo fazendo fila e acabou sendo derrubado pelo último jogador do Nacional, Scotti, que recebeu o cartão amarelo. Na cobrança de falta, após muita catimba dos adversários, Juninho bateu muito bem e Burián conseguiu fezer a defesa.

Vasco luta, mas não consegue reverter o resultado

No intervalo, Cristóvão Borges colocou Fellipe Bastos no lugar de Max. O segundo tempo, todavia, começou da pior maneira possível para a equipe de São Januário, pois o Nacional ampliou o placar com um minuto de jogo com Sanchez. Aos cinco minutos, os uruguaios quase marcaram o terceiro em um contra-ataque rápido com o próprio Sanchez, que driblou Fernando Prass e chutou por cima da baliza.

O Vascão, que continuava a ter dificuldades de vencer a marcação do adversário, chegou ao ataque em uma boa descida pela esquerda com Thiago Feltri, que cruzou para Alecsandro, mas o goleiro Burián ganhou a disputa pelo alto com o camisa 9 vascaíno.

Aos 15 minutos, Cristóvão Borges promoveu a estreia de Tenorio, colocando-o no lugar do Maestro Felipe para dar mais força física para o setor ofensivo do Cruz-Maltino. Logo no seu primeiro lance o equatoriano levantou a torcida ao demonstrar muita raça na disputa de bola com o adversário, arrancando um escanteio.

Mesmo no campo de ataque, lutando pelo gol, o Gigante da Colina continuava a esbarrar na forte marcação uruguaia, principalmente no meio de campo. Mas aos 28 minutos, o Cruz-Maltino furou a zaga do Nacional. Diego Souza deu passe genial para Juninho Pernambucano cruzar para Alecsandro. O camisa 9 se adiantou e empurrou para dentro do gol para São Januário explodir.

O Trem Bala, com o combustível renovado e com o apoio de sua torcida, foi todo ao ataque em busca de mais uma virada na sua rica história. Aos 37 minutos, Thiago Feltri recebeu um passe na entrada da área e fica cara a cara com o goleiro do Nacional, que fez grande defesa. O Vasco seguiu pressionando e acabou fazendo um gol com Tenório. O tento, porém, foi anulado e o Vasco perdeu na estreia da Libertadores. Nos acréscimos, Renato Silva, que estava no banco de reservas, foi expulso de campo pelo árbitro.

Próximo jogo:

O Vascão enfrentará neste domingo o Fluminense, às 19h30, no Engenhão, em clássico válido pela 6ª  rodada da Taça Guanabara. O Cruz-Maltino só voltará a jogar em uma partida pela Copa Libertadores no dia seis de março diante do Alianza Lima (PER), em São Januário.

FICHA TÉCNICA
VASCO 1 X 2 NACIONAL (URU)

Local: São Januário, no Rio de Janeiro (RJ)
Data/hora: 8/2/2012 - 22h (de Brasília)
Árbitro: José Buitrago (COL)
Catões amarelos: Rodolfo, Nilton, Juninho (VAS); Placente, Demonte, Vúdez, Cabrera (NAL)
Cartôes vermelhos: Renato Silva (VAS), sem entrar em campo
Gols: Scotti, 29'/1ºT (0-1); Sanchez, 1'/2ºT (0-2); Alecsandro, 28'/2ºT (1-2)

VASCO: Fernando Prass; Max (Fellipe Bastos, intervalo), Dedé, Rodolfo e Thiago Feltri; Nilton, Eduardo Costa, Felipe (Tenorio, 15'/2ºT) e Juninho; Diego Souza e Alecsandro. Técnico: Cristovão Borges.

NACIONAL: Burián; Nuñez, Rolin, Scotti (Jadson Vieira, intervalo) e Diego Placente; Calzada, Matías Cabrera, Romero (Abero, 20'/2ºT) e Demonte; Viudez e Sánchez (Recoba, 25'/2ºT). Técnico: Marcelo Gallardo.

Comente essa notícia

Videos

#JamaisTerásACruz

desenvolvido por: