Em 17/03/2020 às 14h02


BK faz visita a Colina Histórica e tem uma aula sobre a história do Vasco

Por: Matheus Babo

São Januário, Rio de Janeiro

O Complexo Esportivo de São Januário recebeu uma visita ilustre há poucos meses. O rapper BK, vascaíno, conheceu o estádio e participou do Tour Pela Colina Histórica, passando por locais como a Sala de Troféus, o vestiário da equipe profissional, Sala de Imprensa e o gramado. BK falou sobre a energia do local e como aproveitou o rolé. Ele é mais um torcedor ilustre a participar do papo com a Vasco TV. As gêmeas do nado sincronizado, Bia e Branca Feres já haviam participado, além de outros famosos que as gravações ainda não foram ao ar.

image

- Eu tiro uma foto ou outra. Quero mais sentir o momento. A parada é sentir mesmo. A energia. Conhecer a história. Eu gosto muito de estudar. O importante é guardar na cabeça, conhecer. Depois vou meter a mão no celular pra tirar foto e guardar tudo - disse o cantor, antes de completar:

- Eu já estava conversando com um amigo e falei "cara, nós temos que voltar a dar uma força pro time". Futebol é uma roda gigante, assim como muitas coisas na vida. Um dia você bem, no outro dia você está mal. Estamos dando esse rolé aqui e você sente o Vasco. Parece que está tendo jogo, eu consigo visualizar o Caldeirão lotado. É organizar a vida e poder chegar junto. Mais importante do que estar na internet falando as coisas, pedindo apoio aos torcedores, é você estar presente mesmo. É isso que eu quero. Outros amigos da música também estão comparecendo e ajudando. 



Ao ler a Resposta Histórica, um dos documentos mais importantes da história do esporte mundial, onde o Vasco, campeão carioca de 1923, dizia que preferia não fazer parte da nova entidade a ter que se submeter à exigência de eliminar de seus quadros 12 atletas, a maioria deles negros, mulatos, nordestinos ou pobres, considerados pela AMEA jogadores "de profissão duvidosa".

- A nossa briga do rap, da cultura hip-hop é isso. É pela liberdade, pela igualdade, contra essa violência que a gente tem no mundo contra a nossa raça, contra a nossa cor, contra o nosso povo. O Vasco entendeu isso há muito anos. Teve essa atitude, esse posicionamento. O Vasco é hip-hop. 

RESPOSTA HISTÓRICA
Este é o maior título que um clube pode ter. Ver o que acontecia na época e ser contra o racismo. O Vasco sempre foi contra isso. Algo que é pesado até hoje, inclusive no futebol, ainda temos essa briga contra o racismo. No mundo do futebol, o Vasco já teve sua postura, há décadas. O mundo precisa saber dessa história. Isso é o Vasco. Gigante!

MERCOSUL
Quando o Vasco virou esse jogo foi quando eu decidi ser Vasco mesmo. Eu era criança e fiquei fascinado. Esse título eu lembro bastante. O Vasco me escolheu. Tu não escolhe o time. O time te escolhe.

JOGA BEM?
Aquela pelada sempre rola. Eu fiquei um tempo sem jogar bola, mas agora eu voltei a brincar. Tem um momento, tem hora que você acha que é o Juninho Pernambucano, o Romário. Tem dia que você não é ninguém também. Arrepia. É muita emoção subir do vestiário pro campo.

ASSOCIAÇÃO
Estou aqui como torcedor. Sou Vasco desde que me entendo por gente. O vascaíno sabe que o time pode contar a qualquer momento com a torcida e é essa energia que passa. A iniciativa do Vasco em fazer vários planos de associação é bem bacana. Tem que ser inclusivo. É isso, rapaziada. Fé!

Comente essa notícia

Videos

Rolé no Rio - Leandro Castan

desenvolvido por: