Em 14/08/2014 às 15h44


10 sócios vascaínos entrarão em campo com o time nesta 5ª

Por: Vasco.com.br

10 sócios do Vasco terão uma noite e tanto nesta quinta-feira (08/08). Isso porque os vascaínos, ganhadores da promoção cultural “Camisas Negras”, entrarão em campo ao lado do time, no jogo contra a Ponte Preta.

Os associados tiveram que mandar frases, respondendo a seguinte pergunta: "Qual a importância da luta do Vasco contra o racismo para a história do futebol?". Além de entrar em campo, cada um dos 10 sortudos vai ganhar uma camisa negra comemorativa, em homenagem ao título estadual de 1923.

Os campeões da promoção foram: Diego Licastro Colaço, José Reinaldo Alves de Moura Júnior, Ravel Cosmo da Silva, Bruno Mateus da Cunha, Igor Machado Amorim, Mario Cesar Brito Sampaio Filho, Thales Henrique Duarte Monnerat, Victor Emanuel da Costa, Igor Monteiro Quintaes, Bruno Trindade.

Confira as frases dos vencedores:

 “A importância de resistir e incluir negros e operários no futebol é a maior glória do torcedor vascaíno, é o seu mais belo gol, é o seu mais nobre título. Quem não se satisfaz divulgando essa história? Não há algo mais digno que dignificar, que trazer consigo os marginalizados. Mas para isso, o Vasco não pediu, não argumentou, simplesmente "BATEU OS PÉS NOS CORAÇÕES DOS PRECONCEITUOSOS" e iniciou o rompimento de uma tradição ingrata. Aceitou ser inferiorizado. Mas quem incentiva a igualdade e faz somente o bem tem a divindade acompanhando-o rumo ao sucesso. Com o Vasco não foi diferente, ele incluiu os excluídos, mas em contrapartida eles tornaram o Vasco um multicampeão, um gigante! Obrigado, Vasco, por respeitar pessoas e se fazer campeão!” Diego Licastro Colaço

 “O Vasco da Gama e seus jogadores foram os primeiros a mostrar ao mundo dos preconceituosos que quando se quer se consegue, quando se luta se conquista e quando há união por um bem maior, até os preconceitos mais enraizados caem por terra, o Gigante mostrou ao mundo dos homens e principalmente do futebol o quão é importante o respeito entre as raças, derrubou barreiras e venceu; para nossa felicidade venceu nos dois campos, o dos homens e do futebol.  O nosso clube mostra no dia a dia a sua importância porque assim como o sentimento não para, a nossa luta contra esse mal sempre continuará, porque no Vasco sempre houve e sempre haverá de ter espaço para todos, menos para o preconceito.  Vasco, pioneiro sempre.” José Reinaldo Alves de Moura Júnior

 “É importante para diminuir ou acabar com o racismo. É necessário para conscientização das pessoas, propagando mais respeito um com o outro. É fundamental para a inserção de negros no esporte e na vida, aumentando sua auto-estima e contribuindo para uma sociedade melhor. É importante não só para a história do esporte, mas também para a história do Brasil.” Ravel Cosmo da Silva

 “Pode ser considerado um marco na história do futebol Brasileiro e Mundial, já que com essa luta o CR Vasco da Gama, contribui consideravelmente para o crescimento do futebol brasileiro, tornando ele a maior potencia no esporte. Sem Vasco poderia não existir Leonidas da Silva, Barbosa, Djalma Santos, Didi, Pelé e etc. A carta história foi a primeira atitude de inclusão através do esporte, foi um divisor de águas no futebol brasileiro.” Bruno Mateus da Cunha

 “Hoje, o Brasil é o país do futebol por conta de históricas seleções formadas por inúmeros craques negros. O maior jogador da história e atleta do século é negro. A grande maioria dos times brasileiros e internacionais têm em suas histórias lindas páginas escritas por jogadores de pele escura. Para saber a importância do Vasco da Gama nisso tudo é só se perguntar: onde tudo isso começou?” Igor Machado Amorim

 "A pele era inicial e lusitanamente branca, ganhou brasilidade na cor e se tornou mestiça, mas todos temos sangue vermelho e indumentados com as camisas negras provamos que, tanto no futebol, quanto na vida, a humanidade é colorida, e que todas as diferenças cabem no coração e na alma vascaína!" Victor Emanuel da Costa

 “A bravura em lutar para que o futebol deixasse de ser privilégio da elite e se democratizasse entre brancos e negros, ricos e pobres, faz do Vasco representante digno da incorporação, na cultura popular, desse esporte naturalizado brasileiro, ao superar o restringente paradigma elitista e conduzir à afirmação de nossas raízes culturais mais genuínas, consagrando-se como um clube essencialmente popular.” Thales Henrique Duarte Monnerat.

 “O Vasco da Gama é um clube pioneiro por ter se rebelado contra as elites na década de 20 do século passado, tendo colocado negros e operários no time e fazendo assim história. Esse foi um fato muito importante que ecoa até hoje nos nossos corações e mentes, nos enchendo de orgulho em torcer por um time sem preconceitos e com uma história belíssima, por isso afirmo que o sentimento nunca vai parar porque o Vasco da Gama é o meu primeiro amor e assim será para sempre!” Mario Cesar Brito Sampaio Filho.

“As histórias do futebol e do Club de Regatas Vasco da Gama se encontraram em 1923 para escrever o capítulo mais libertador contra o preconceito racial e social que transcenderam as barreiras do esporte, e sim da vida, do respeito e da dignidade. A batalha para que negros e operários pudessem jogar futebol foi o maior legado que o Vasco poderia deixar para o futebol, o esporte, a sociedade, o Brasil e para o Mundo. E fundamental, claro, para que todos conhecessem os talentos de Barbosa, Denner, Dedé e Tenório, entre outros. Vale citar a bonita frase: "Se não fosse o Vasco, o mundo não conheceria Pelé" - o maior de todos do futebol. Ao Vasco, aos operários e aos negros, TUDO!!!” Igor Monteiro Quintaes.

“Graças ao Vasco, pioneiro na luta contra o Racismo no Brasil, vários craques puderam brilhar em nossos gramados. Não só em nosso clube, mas em nossos rivais também. Imaginem não termos tido um Barbosa, Alcir, Quiñonez (e a sua cabeleira), Mazinho, Cocada, Odvan, Dener, Romário, Dedé... Falando na relação negros e futebol, como não lembrar também de Pai Santana, uma pessoa que mesmo não sendo jogador, sempre entrava em campo com o nosso time e parecia fazer seus gols também! Não vivi a década de 20 para acompanhar a geração de 23 e suas barreiras e preconceitos quebrados, mas faço parte da torcida que comemora hoje os 90 anos e estarei presente com meu manto negro na festa que faremos nos 100 anos de nossos Camisas Negras! Camisas Negras que guardamos em nossas memórias. Glória, lutas, vitórias esta é a NOSSA história!” Bruno Henrique Villar Trindade. 

Comente essa notícia

Videos

Rolé no Rio - Leandro Castan

desenvolvido por: