Sub-20 empata com Madureira na estreia do Carioca

sábado, 26/03/2022

Por: João Pedro Isidro, Nova Iguaçu

A equipe Sub-20 do Vasco da Gama empatou com o Madureira por 2 a 2, na manhã deste sábado (26/3), no Estádio Nivaldo Pereira, pela estreia da Taça Guanabara. Os gols cruzmaltinos foram marcados por Paixão e Ray. O próximo compromisso da equipe treinada por Igor Guerra, será no sábado (2/4), contra o Botafogo, no CEFAT.

Paixão fez o primeiro gol do Vasco (Foto: Rafael Ribeiro/Vasco)

O JOGO

A partida começou com as duas equipes com a marcação alta, no campo adversário. O Vasco começou com dificuldades na criação, mas conseguiu boas jogadas explorando os lançamentos e as inversões de bola.

Aos 3 minutos, Julião fez bom lançamento para Paixão, que sem ângulo finalizou para a defesa do goleiro. Dois minutos depois, Julião cobrou falta na área, a zaga desviou e Victão cabeceou, mas a bola passou por cima do gol.

Aos 22, Julião lançou a bola e o defensor do Madureira jogou contra o próprio gol, o goleiro defendeu, mas a bola bateu no travessão e caiu nos pés de Paixão, que abriu o placar: VASCO 1 a 0. Três minutos depois, após um erro na saída de bola, o Madureira recuperou e empatou o jogo, 1 a 1. Aos 42, em um contra-ataque rápido, o tricolor suburbano conseguiu a virada, 2 a 1 para o Madureira.

Na segunda etapa o Vasco voltou com três alterações e uma postura diferente, conseguindo levar perigo ao gol adversário duas vezes nos primeiros cinco minutos, com Eguinaldo e Julião.

A pressão vascaína continuou e o empate veio aos 8 minutos. Erick Marcus lançou Eguinaldo, que levou a melhor na disputa com o zagueiro, invadiu a área e rolou para Ray estufar as redes: VASCO 2 a 2.

O Vasco manteve a posse de bola e criou as melhores oportunidades, mas não conseguiu buscar a virada.

Escalação do Vasco: Cadu, Wesley, Victão, Pedro Lucas (Roger) e Julião; Rodrigo (Lucas Eduardo), Barros e Marlon Santos (Ray); Cachoeira (Juan), Erick Marcus (Léo Guerra) e Paixão (Eguinaldo) – Técnico: Igor Guerra

Vasco da Gama, o time que venceu o racismo