Thiago Rodrigues quer repetir boa temporada de 2021 pelo Gigante da Colina

terça-feira, 11/01/2022

Minutos após o lateral-esquerdo Edimar vestir pela primeira vez a camisa cruzmaltina, o goleiro Thiago Rodrigues repetiu o ritual e foi apresentado oficialmente pelo gerente geral Carlos Brazil no CT Moacyr Barbosa, na Cidade de Deus. Apontado pelo portal de estatísticas Sofascore como melhor arqueiro das Séries A e B na temporada 2021, quando jogou pelo CSA (AL), o novo camisa 1 de São Januário falou sobre a responsabilidade de defender a meta cruzmaltina.

– Estou chegando ao Vasco com as características que me levaram a vestir essa camisa. Tive bons números no ano passado, que me colocaram como melhor goleiro das séries A e B. Nossa posição depende de várias variáveis, um contexto. Me apego ao que me trouxe até aqui. Tenho muita confiança no meu trabalho. É uma oportunidade muito concreta. Quero mostrar tudo o que mostrei no ano passado – afirmou o experiente jogador.

Assim como em 2021, a briga pelo acesso para a Série A do Campeonato Brasil promete ser grande, especialmente pela presença de mais equipes de tradição na disputa, casos de Bahia, Grêmio, Sport Recife e Chapecoense. Embora a dificuldade do torneio tenha aumentado, Thiago Rodrigues não se mostrou preocupado. O goleiro vê o Vasco em plenas condições de alcançar seu objetivo no ano.

– Eu vejo essa Série B como a mais difícil, mas também como a mais prazerosa de jogar. Com todo respeito, é bem melhor jogar na Arena do Grêmio, contra o Sport, contra o Bahia. Tenho certeza que o Vasco vai fazer um grande ano. Com pés no chão, responsabilidade e foco, tenho certeza que será um grande ano para nós – declarou Thiago Rodrigues.

Confira outros trechos da entrevista coletiva de Thiago Rodrigues:

– Características

“O Vasco teve grandes goleiros, Barbosa, Helton e Carlos Germano. Lógico que o primeiro objetivo é defender. Mas dentro das características que o treinador quiser, posso jogar com os pés. O futebol de hoje pede isso. Não só defendendo, mas também ajudando no início das construções das jogadas”

– Torcida e desafio

“Fico muito feliz com o carinho. Nas redes sociais senti o termômetro e o carinho dos torcedores. Jogando aqui em São Januário, senti o peso dessa massa quando enfrentamos o Vasco. Vim com uma mentalidade vencedora, com os pés no chão, mas para levar o Vasco para onde ele merece, que é a Série A. Ideia é fazer um bom primeiro semestre, mas nosso principal objetivo é voltar à Série A”

– Números da última temporada

“O futebol hoje em dia é muito pautado por números. Em termos de estáticas, tive as melhores notas das séries A e B. É um grande feito individual e que me credencia a ter essa responsabilidade que é vestir a camisa do Vasco”

– Recepção e disputa com Lucão

“Todos me receberam muito bem. O Lucão é um jovem promissor e está em processo de maturação, que vem com o tempo. Eu estou disponível para isso e assim como eu aprendo, posso ensinar para ele. Será um ano bom e difícil, mas tenho certeza que celebraremos no final do ano”

– Saída de bola e sistema defensivo

“A comunicação é muito importante hoje em dia, ela encurta espaço, soluciona problemas. Gosto de sair jogando, mas dentro de um jogo há variáveis. Parte muito do posicionamento, da comunicação. Gosto muito de dominar a “cozinha”. Tenho essa facilidade de comunicação”

– Uso de máscara

“Tive um lance no ano passado que foi muito difícil. Fui acertado por um colega na testa, fraturei o olho e o nariz. Para não fazer a cirurgia, tínhamos uma final, optamos dentro de um consenso médico a não operar. E para jogar as finais era necessário usar a máscara, que uso até hoje. Valeu a pena o sacrifício, defendi dois pênaltis. Vou precisar usar a máscara por mais um ano”

Vasco da Gama, o time que venceu o racismo