Vasco dá continuidade às ações em comemoração ao centenário da Resposta Histórica

domingo, 21/01/2024

Encerrando a primeira ação do calendário em comemoração ao centenário da Resposta Histórica, marco na luta contra o racismo no futebol mundial, o Vasco da Gama terá mais homenagens nas partidas deste domingo (21/01).

No jogo pelo Campeonato Carioca, diante do Sampaio Corrêa, vão estrelar a camisa os nomes de personalidades importantes na luta contra o preconceito racial no mundo enquanto no Uruguai os nomes dos jogadores dos camisas negras permanecem na camisa.

Luiz Gama
Abdias do Nascimento
Zumbi dos Palmares
Conceição Evaristo
Rosa Parks
Milton Santos
Jesse Owens
Lewis Hamilton
Martin Luther King Jr.
Sueli Carneiro
Nelson Mandela

As camisas da partida contra o Sampaio Corrêa serão leiloadas pela Play for a Cause e os recursos doados ao Observatório Racial no Futebol, parceiro na ação.

Os recentes casos de racismo sofridos por Lucas Eduardo e Matheus Henrique são infelizes avisos de que essa luta não acabou. O Vasco condena esses episódios e trabalha para que os autores sejam responsabilizadas.

Respeito, Igualdade e Inclusão.

PERSONALIDADES HOMENAGEADAS

Luiz Gama

Foi um advogado, abolicionista, orador, jornalista e escritor brasileiro e o Patrono da Abolição da Escravidão do Brasil.

Abdias do Nascimento

Abdias do Nascimento foi um ator, poeta, escritor, dramaturgo, artista plástico, professor universitário, político e ativista dos direitos civis e humanos das populações negras brasileiras.

Zumbi dos Palmares

Zumbi, também conhecido como Zumbi dos Palmares, foi um líder quilombola brasileiro, o último dos líderes do Quilombo dos Palmares, o maior dos quilombos do período colonial. Zumbi nasceu na então Capitania de Pernambuco, em região hoje pertencente ao município de União dos Palmares, no estado de Alagoas.

Conceição Evaristo

Maria da Conceição Evaristo de Brito é uma linguista e escritora afro-brasileira. Agora aposentada, teve uma prolífica carreira como pesquisadora-docente universitária. É uma das mais influentes literatas do movimento pós-modernista no Brasil, escrevendo nos gêneros da poesia, romance, conto e ensaio.

Rosa Parks

Rosa Louise McCauley, mais conhecida por Rosa Parks, foi uma ativista negra norte-americana, símbolo do movimento dos direitos civis dos negros nos Estados Unidos.

Milton Santos

Milton Almeida dos Santos foi um geógrafo, escritor, cientista, jornalista, advogado e professor universitário brasileiro. Considerado um dos mais renomados intelectuais do Brasil no século XX, foi um dos grandes nomes da renovação da geografia no Brasil ocorrida na década de 1970.

Jesse Owens

James Cleveland Owens, conhecido por Jesse Owens, foi um atleta e líder civil norte-americano. Ele participou nos Jogos Olímpicos de Verão de 1936 em Berlim, Alemanha Nazista, em que ganhou quatro medalhas de ouro nos 100 e 200 metros rasos, no salto em distância e no revezamento 4x100m.

Lewis Hamilton

Sir Lewis Carl Davidson Hamilton MBE HonFREng Kt é um automobilista britânico. Sete vezes campeão mundial de Fórmula 1, nos anos de 2008, 2014, 2015, 2017, 2018, 2019 e 2020, Hamilton é um dos maiores pilotos de todos os tempos, e um dos desportistas mais bem sucedidos da história – sempre engajado em lutas antirracista.

Martin L. King

Martin Luther King Jr. foi um pastor batista e ativista político estadunidense que se tornou a figura mais proeminente e líder do movimento dos direitos civis nos Estados Unidos de 1955 até seu assassinato em 1968.

Sueli Carneiro

Aparecida Sueli Carneiro é uma filósofa, escritora e ativista antirracismo do movimento social negro brasileiro. Sueli Carneiro é fundadora e atual diretora do Geledés — Instituto da Mulher Negra e considerada uma das principais autoras do feminismo negro no Brasil.

Nelson Mandela

Nelson Rolihlahla Mandela foi um advogado, líder rebelde e presidente da África do Sul de 1994 a 1999, considerado como o mais importante líder da África Subsaariana, vencedor do Prêmio Nobel da Paz de 1993, e pai da moderna nação sul-africana, onde é normalmente referido como Madiba ou “Tata”.

A RESPOSTA HISTÓRICA

O Vasco da Gama é o único dos 4 clubes do Rio de Janeiro com maior torcida, a nascer em zonas populares e não no berço da aristocracia brasileira.

Em 1923, o Vasco da Gama conquistou seu primeiro Campeonato Carioca chocando o establishment da época. A lendária equipe dos Camisas Negras era formada em sua maioria por negros, operários e brancos de baixa condição social. Era a primeira vez que um time com jogadores das camadas populares conquistava o então principal torneio de futebol do Brasil.

Os clubes das elites reagiram e fundaram uma nova liga, a Associação Metropolitana de Esportes Atléticos – AMEA. Para que o Vasco pudesse se filiar a nova entidade, exigiram que o clube excluísse da sua equipe 12 jogadores, justamente os negros e brancos de baixa condição social, que eram considerados sem “condições morais” para participar do certame.

Após saber da decisão da AMEA – Associação Metropolitana de Esportes Athleticos, no dia 7 de abril de 1924, o Vasco da Gama respondeu a federação na carta que ficaria conhecida como Resposta Histórica.

Nela, José Augusto Prestes, então presidente do clube, explica que o clube não iria desfiliar seus doze atletas negros, operários e analfabetos. A desfiliação foi a condição estabelecida pela associação para a filiação e subsequente participação do Vasco nos campeonatos organizados pela AMEA.

O Vasco diz não ao preconceito, se recusa a expulsar os jovens de seu quadro de atletas e assim se retira do campeonato de 1924.

O time desde sempre teve uma forte ligação com as massas mais populares, levando sempre multidões aos estádios.
Após pressão popular e entendendo que o campeonato não teria a mesma relevância sem o Club de Regatas Vasco da Gama, o Gigante da Colina, com todos seus jogadores, foi reintegrado na competição – conquistando um marco importante em sua história de combate ao preconceito.

Vasco da Gama, o time que venceu o racismo