Vasco tem uma semana para treinar, após dez jogos em um mês

domingo, 02/08/2015

Preparador físico Paulo Paixão comandou a atividade no último sábado (01), na Barra – Foto: Paulo Fernandes/Vasco.com.br

O Vasco terá importante sequência contra adversários diretos nas próximas cinco rodadas do Campeonato Brasileiro. Após disputar dez partidas em um mês, o time terá pela frente ainda  mais seis dias de treinamentos para o primeiro destes confrontos diretos, contra o Joinville, marcado para dia 9 de agosto, às 11h, no Maracanã. O preparador físico Paulo Paixão comentou a importância de poder trabalhar a preparação física do time neste período de pouco mais de uma semana sem jogos e viagens, que desgastam bastante os jogadores.

– Essa parada tem de ser aproveitada pelo Vasco. A sequência de muitos jogos fazem com que os atletas percam força a cada rodada. Por isso, é necessário fazer um trabalho que busque reequilibrar toda essa parte de força muscular localizada, a força explosiva. São trabalhos intervalados com corridas longas e curtas, que têm como objetivo reagrupar fisicamente o grupo de jogadores para suportar o fim desse turno e todo o segundo turno que vem pela frente, além dos jogos da Copa do Brasil, competição na qual esperamos seguir avançando – afirmou Paulo Paixão, detalhando um pouco mais o planejamento até o próximo compromisso:
– O objetivo é pegar os atletas que estão mais desgastados e fazer um trabalho regenerativo nesse primeiro momento. E com os demais, vamos procurar fazer essa reintegração de força, de capacidade aeróbia e anaeróbia, trabalhos que nos darão sustentação pra sequência da temporada – explicou Paixão ao Site Oficial do Vasco.

Preparador físico Paulo Paixão chegou ao Vasco junto com o técnico Celso Roth – Foto: Paulo Fernandes/Vasco.com.br
Mesmo deixando claro que a homogeneidade de um grupo é inatingível, o experiente preparador físico explica que a meta é equilibrar a capacidade física dos atletas o máximo possível. Para deixar todos os jogadores o mais próximo do ideal no rendimento físico, Paixão afirma que é importante analisar todo o histórico da formação do grupo e trabalhar coletivamente, respeitando as características de cada um.
– Tivemos alguns jogadores que chegaram depois, outros voltando de lesão e atletas convocados para seleções de base que não fizeram a pré-temporada junto com o grupo. Não podemos ter o preciosismo de garantir que vamos resolver essa questão, mas podemos nos aproximar ao máximo do equilíbrio ideal que objetivamos. Até porque, durante esse processo, você corre o risco de algum atleta apresentar algum desconforto muscular, ter que ficar fora de algum treino e retroagir novamente. Por mais que a gente planeje uma situação, o futebol é um esporte em que temos de lidar com o imponderável. Em outras modalidades, principalmente nas individuais, você corrige a passada, o jeito do atleta correr e se deslocar, o que torna esse processo mais controlado. No futebol você não tem como controlar isso – concluiu.
Após enfrentar o Joinville, o Vasco terá pela frente Santos, Coritiba, Goiás e Figueirense.