Vegetti comemora estreia com gol e se diz muito feliz por ajudar o Vasco

segunda-feira, 07/08/2023

Por: Millena Pscheidt | Comunicação

O atacante argentino Pablo Vegetti, que chegou vestindo a camisa 99 do Vasco, fez sua estreia diante do Grêmio e marcou o gol da vitória por 1 a 0. Na zona mista após a partida, ele falou sobre a chegada ao Rio, o sentimento que está e a importância da confiança para desenvolver o trabalho.

– A verdade é que obviamente estou muito feliz. Cheguei há dois dias, foi muito estressante a situação devido às questões burocráticas, mas o que eu gosto mesmo é de jogar bola, desfrutar. Estou em um grande clube, uma grande cidade. Sei que estou em um lugar onde tenho que desfrutar das coisas, da família, desfrutar da profissão e somar no lugar que estou. Fizemos uma grande partida, grande primeiro tempo – disse Vegetti sobre sua vinda para o Gigante da Colina.

O jogador também contou como foi a conversa com o técnico Ramón Díaz quando chegou e quando foi chamado pelo professor para entrar em campo.

Vegetti estreia pelo Vasco com gol diante do Grêmio. Foto: Daniel Ramalho/Vasco da Gama

– Ele disse que precisava de mim. Falamos muito pouco, falamos mais quando cheguei no Centro de Treinamento e ele disse o que quer de mim. Como eu digo sempre, a confiança tem que ser para todos, depois cada um tem que acertar e tomá-la da melhor maneira. Mas tem que ser para todos, quem está dentro e quem está fora. Temos que ajudar no trabalho, pois é a única maneira de levar adiante o Vasco – contou o camisa 99.

Sobre a confiança, Vegetti reforçou o quanto é importante e também destacou, por parte da torcida, mais uma vez a recepção que teve no aeroporto e em geral.

– É importante converter na primeira partida. É importante para a confiança, para o jogo. Todos me receberam muito bem, a torcida do Vasco que foi no aeroporto. Assim ajuda a trabalhar tranquilo e como todo para que somente pensemos em jogar, treinar e desfrutar de cada partida, entregar o máximo durante a semana – finalizou o estreante.

Vasco da Gama, o time que venceu o racismo