Weverton exalta apoio da torcida e projeta duelo contra o Brusque

segunda-feira, 23/05/2022

De olho em mais um compromisso pelo Campeonato Brasileiro, o elenco do Vasco da Gama não teve folga após o empate com o Guarani e trabalhou de forma intensa nos últimos dias. Nesta segunda-feira (23/05), sob o comando de Zé Ricardo, os jogadores cruzmaltinos suaram a camisa em atividades físicas, técnicas e táticas. A grande novidade foi a presença do atacante Figueiredo, que participou de parte da atividade e demonstrou que vem se recuperando bem das dores no músculo posterior da coxa esquerda.

Foto: Daniel Ramalho/Vasco.com.br

Antes da movimentação, o lateral-direito Weverton concedeu entrevista coletiva e falou sobre a expectativa para o duelo contra o Brusque. Na próxima quinta-feira (26), às 19 horas, o camisa 17 está cotado para começar jogando no lugar de Gabriel Dias, que recebeu o terceiro cartão amarelo na Arena da Amazônia e irá desfalcar o Gigante da Colina no importante jogo em São Januário.

– O Zé Ricardo ainda não conversou se eu começo jogando ou não. Se eu começar, tenho total confiança no meu trabalho e no trabalho que tem sido feito aqui. A expectativa é grande, com nosso torcedor em casa, isso ajuda a colocar a autoestima lá em cima para tentarmos vencer. A pressão eu não levo para o lado negativo, em time grande é normal. Levo pelo lado positivo que é a torcida ali com a gente, vibrando, nos empurrando para conseguir a vitória – afirmou o jovem jogador.

Ao ser questionado sobre o rendimento vascaíno no Campeonato Brasileiro, Weverton reconheceu que evoluir é preciso, mas lembrou que o Gigante da Colina já se encontra no G4 há duas rodadas. O camisa 17 também comentou sobre a presença maciça dos torcedores cruzmaltinos nos mais recentes compromissos em São Januário.

– A gente está se encaixando, precisávamos de tempo para encaixar no dia a dia, e estamos conseguindo. Tivemos um empate doloroso contra o Guarani, mas vai dar tudo certo para a gente conseguir o acesso no fim do ano. O apoio da nossa torcida é muito bom, jogar em casa é fora do normal, já sentimos o calor da torcida no aquecimento. Chego a me arrepiar quando entro em campo. Isso é muito bom para nós – declarou o lateral-direito.

Vasco da Gama, o time que venceu o racismo