Weverton explica escolha pelo Vasco: “time de camisa, grande e vencedor”

quinta-feira, 13/01/2022

O meio-campo Isaque não foi o único reforço apresentado pelo Vasco da Gama nesta quinta-feira (13/01). Logo na sequência, das mãos do gerente geral Carlos Brazil, o lateral-direito Weverton recebeu a camisa 17 e a vestiu pela primeira vez. Nas primeiras palavras direcionadas ao torcedor vascaíno, o jovem prometeu entrega e dedicação.

– Sou um cara que trabalha muito. A comissão vai vai ver o meu potencial no dia a dia. Na primeira semana, venho tentando mostrar para o treinador Zé Ricardo quem eu sou. Quero mostrar isso também para a torcida vascaína. Estou muito feliz por estar aqui no Vasco e vou dar o meu melhor para colocar o clube novamente no seu devido lugar. Não vim aqui para passear – declarou o novo lateral vascaíno.

Embora tivesse contrato longo com o RB Bragantino, finalista da última edição da Conmebol Sul-Americana, Weverton não pensou duas vezes quando recebeu o convite para vestir a camisa do Gigante da Colina.

– Vim preparado. Sou um jogador de muita personalidade. Vai ser um ano difícil, Série B é difícil. Para o cara vir para o Vasco não tem que pensar em outra coisa. Tem que vir. O Vasco é um time de camisa, grande e vencedor. Vim mostrar meu futebol, para as pessoas verem quem eu sou e para colocar o Vasco na Série A. O Vasco não merece estar na Série B. Não tive dúvida, acreditei no projeto do Vasco, e o clube acreditou em mim – afirmou o camisa 17.

Confira outros trechos da entrevista coletiva do lateral Weverton:

– Caneta em Neymar

“Isso não me aborrece. Foi uma coisa boa para mim, pela visibilidade. Mas não gosto quando chegam em mim e falam que cheguei aqui pelo lance do Neymar. Trabalho muito, as pessoas vão ver o meu potencial”

– Disputa com Léo Matos

“Vai ser uma disputa boa, saudável. Cada um vai buscar seu espaço em campo. Não cabe a mim falar, cabe à comissão técnica. Minha relação com Léo Matos é boa. É um cara experiente, jogou na Grécia. Isso tem sido bom, ele passa informações. Estamos nos conhecendo melhor”

– Camisa 17

“Quando subi para o Cruzeiro e fui para Libertadores, foi a primeira camisa que usei e me marcou. Escolhi esse número para mim. Rio de Janeiro – Cidade muito boa, receptiva. Mas não vim passear. Vim trabalhar e ajudar o Vasco”

– Vascaíno desde criança

“Sou vascaíno desde criança. Meu avô é vascaíno doente. Quando chegou a proposta, ele ficou muito feliz. A Família toda ficou feliz, mas meu avô torce muito pelo Vasco”

– Características

“Sou um jogador que apoia muito. Era atacante. A parte defensiva eu venho evoluindo desde que fui para lateral. Sempre busco a evolução”

Vasco da Gama, o time que venceu o racismo